Trânsito pesado e poluição afastam paulistanos de transporte coletivo

Prefeitura promete novos corredores e ciclovias para reduzir uso de carro

Bruno Tavares, O Estadao de S.Paulo

07 Setembro 2022 | 00h00

Em dois anos de adesão ao Dia Mundial Sem Carro, a Prefeitura promoveu poucas ações de incentivo ao uso do transporte coletivo na cidade. Mesmo após a reformulação do sistema, feita em 2003 pela gestão Marta Suplicy (PT), uma parcela significativa da população ainda resiste a usar o ônibus em seus deslocamentos. As principais queixas, segundo pesquisa divulgada no ano passado pela Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP), são a poluição emitida pelos veículos, o trânsito e a espera longa no ponto de parada. Embora tenha concluído o projeto Fura-Fila - rebatizado pela administração José Serra/Gilberto Kassab de Expresso Tiradentes -, só neste ano a Secretaria Municipal dos Transportes (SMT) anunciou a intenção de construir novos corredores de ônibus na cidades. Até hoje, porém, a pasta não concluiu o projeto de reestruturação das 1.305 linhas em operação na capital, tido como fundamental para acabar com as sobreposições entre ônibus e lotações. Se os planos anunciados em agosto pela Prefeitura se concretizarem, São Paulo terá mais 53,1 quilômetros de corredores exclusivos de ônibus até o fim de 2008. Das cinco obras previstas, duas estão em fase mais adiantada, segundo a SMT: os corredores São Miguel/Celso Garcia/Centro, na zona leste, e o Indianópolis/Brasil/Sumaré, entre as zonas sul e oeste da cidade. CICLOVIAS Além das faixas exclusivas para ônibus, a Prefeitura também prometeu investir em ciclovias. Na quarta-feira, a Secretaria do Verde e Meio Ambiente anunciou a construção da maior ciclovia de São Paulo, na região do Butantã, zona oeste. A pista terá 15 quilômetros de extensão facilitará o acesso de estudantes e funcionários ao campus da Universidade de São Paulo (USP). Também permitirá aos moradores da região utilizar bicicletas para ir à estação de trem da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) na ponte Cidade Universitária e as futuras estações de metrô da Linha Amarela, como Vila Sônia, Butantã e Pinheiros. O objetivo é concluir a obra até fim de 2010. Em janeiro de 2008, a Radial Leste também deverá ganhar 12,5 quilômetros de ciclovia, além de três bicicletários instalados em estações de trem e metrô. Hoje, a cidade possui 23,5 quilômetros de ciclovias - 19 km em parques e 4,5 km em vias públicas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.