Robson Fracaroli/Estadão
Robson Fracaroli/Estadão

Corpo de brasileira morta em Lisboa é liberado; empresa fará traslado

Ivanice Carvalho da Costa, de 36 anos, foi baleada por engano pela polícia em Portugal; agentes perseguiam carro de assaltantes

Bruna Borelli, especial para o Estado

17 Novembro 2017 | 18h03
Atualizado 17 Novembro 2017 | 18h28

LISBOA - O corpo de Ivanice da Costa, de 36 anos, foi liberado pelas autoridades portuguesas. O translado para o Brasil será custeado pela empresa em que ela trabalhava em Portugal, o Grupo Moiagest, do setor de restauração e alimentação. A brasileira foi morta por engano pela polícia de Lisboa na madrugada dessa quarta-feira, 15, após ter seu carro confundido durante uma perseguição policial a assaltantes.

+++ Brasileira é morta por engano a tiros em Lisboa

A informação sobre o pagamento do transporte do corpo da vítima foi confirmada ao Estado por fontes internas que trabalham na área de recursos humanos da empresa portuguesa.  Ainda não há informações de quando ele será levado ao Brasil.  O Grupo Moiagest "ainda está a tratar disso".

+++ Família de brasileira morta em Portugal diz que não tem recursos para trazer corpo para o Brasil

A decisão ocorre após o Itamaraty afirmar, em nota, que "não há previsão orçamentária para traslado ao Brasil, com recursos públicos, de nacionais falecidos no exterior".

Até então, Célia Maria da Silva Nunes, tia da vítima residente em Portugal, cogitava entrar com um processo judicial para que o governo português pagasse o translado do corpo para Amaporã, no Paraná, onde vive a família de Ivanice.   

Sobre o ocorrido, o ministro de Administração Interna de Portugal, Eduardo Cabrita, assegurou que se trata de uma "circunstância infeliz" e destacou que "tudo será esclarecido". Já o Sindicato Nacional da Polícia de Portugal defendeu a ação policial, que culminou em mais de 20 tiros disparados no carro em que estavam Ivanice e um motorista ainda não identificado, namorado da vítima.

"É sempre muito fácil para alguns 'comentadores de bancada' virem criticar as ações policiais sempre que estas correm mal, esquecendo-se sempre que, ao contrário deles, que tiveram todo o tempo do mundo para falar do que muitas vezes desconhecem, os polícias apenas têm segundos para decidirem as ações a tomar", disse o sindicato em comunicado oficial. 

 

Investigação

A ocorrência foi na madrugada desta quarta-feira, quando as autoridades portuguesas de segurança procuravam assaltantes que haviam furtado um caixa eletrônico e fugido em um Seat Leon preto. 

Segundo as autoridades portuguesas de segurança, o carro onde estava Ivanice e o namorado - um Renault Megane da mesma cor - "aparentava corresponder às características da viatura suspeita" e o homem que dirigia o veículo desobedeceu à ordem dos policiais de parar e tentou atropelar os agentes. 

Ivanice foi baleada no pescoço e morreu ainda antes de chegar ao hospital. Já o motorista foi detido por condução sem habilitação legal, desobediência ao sinal de paragem e condução perigosa, segundo informações da polícia. O caso está sendo apurado pelo Ministério Público Distrital. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.