''Transparência é mau negócio para deputados governistas''

Raul Jungmann, EX-DEPUTADO-FEDERAL

, O Estado de S.Paulo

30 Janeiro 2011 | 00h00

O ex-deputado Raul Jungmann (PPS-PE), que se despede da Câmara após dois mandatos, vê no clientelismo a chave para entender as resistências de parlamentares às pressões da sociedade por menos privilégios e por mais transparência no Congresso.

É viável esperar que o Congresso elimine seus próprios privilégios?

Fiz parte de uma frente que lutou muito contra esses privilégios, e tivemos algumas vitórias. Por exemplo, contestamos no Supremo Tribunal Federal a concessão de aumento salarial para os deputados sem votação no plenário, e vencemos. Mas a corporação é fortíssima. Nosso grupo era, de forma jocosa e pejorativa, chamado pelos demais deputados de bancada dos éticos, dos honestos.

Os parlamentares são sensíveis às novas formas de manifestação do eleitorado, como as redes sociais?

Existem dois tipos de mandato, o do deputado de opinião e o do que sobrevive graças ao governo. O deputado de opinião é sensibilíssimo à opinião pública. Os outros estão se lixando para isso, pois se reproduzem através das emendas, dos cargos. Esses têm eleitores altamente vulneráveis, que dependem de uma atuação clientelista. O parlamentar governista se reproduz através do dinheiro que pega do governo e que repassa para sua clientela. Em geral é um bem individualizado: eu lhe dou uma laqueadura, um emprego, e você me dá o voto.

É um eleitorado que não cobra posturas éticas?

Quem sofre pressão e controle nesse sentido é o deputado urbano, de opinião, ligado a causas. Para quem se elege lá em Guaxupé de Dentro, isso não existe. É por isso que há parlamentares que foram líderes com Collor, com Fernando Henrique, com Lula, com Dilma. Para eles não tem ideologia, só não podem é deixar de ser governo, porque aí estão mortos.

E a questão da corrupção?

Quem vive pendurado nas tetas do governo precisa de opacidade, não de transparência. Em alguns casos, do dinheiro que o parlamentar repassa para a ponte, para a quadra poliesportiva, um pedaço fica para ele, para fazer caixa de campanha. Transparência para ele não é negócio. Não digo que os parlamentares de opinião sejam todos santos, mas eles precisam ter compromisso com transparência porque a base exige.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.