Transurb já fala em atrasar pagamento por causa da greve

O presidente do Sindicatos Patronal (Transurb), Sérgio Pavani, disse hoje que os dois dias de greve já causaram um prejuízo de cerca de R$ 10 milhões aos empresários e que, se a manifestação continuar, o pagamento de salários e das dívidas do setor poderão atrasar. "Não gostaríamos que isso acontecesse, mas é uma lógica: se o ônibus não roda, não tem passageiros e, com isso, não tem dinheiro", disse Pavani, após audiência de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho (TRT).De acordo com Pavani, esses dois dias de greve já ameaça o pagamento do vale dos funcionários no próximo dia 20. "A nossa primeira preocupação é com o vale do dia 20 e as nossas dívidas do dia-a-dia." Entretanto, ele disse que os empresários estão buscando "aportes financeiros" para honrar os pagamentos: "Vamos cumpri-los".Pavani rebateu as críticas feitas pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) aos empresários do setor. "Eu vejo isso com uma tristeza muito grande. O Lula é inteligente, mas está mal informado. A única pressão que nós estamos fazendo é para trabalhar", afirmou Pavani.A reportagem do Estado apurou que os empresários temem que Tatto faça mais uma "limpa" no sistema de transporte coletivo e acabe descredenciando outras empresas, além das nove que já foram retiradas do sistema. Entretanto, segundo o próprio secretário dos Transportes, Jilmar Tatto, no momento não será feito nenhum novo descredenciamento.Tatto disse que o presidente Lula está certo em criticar os maus empresários. "Deveríamos tirar também os maus sindicalistas que, em vez de agirem como num bangue-bangue, deveriam estar defendendo os trabalhadores", emendou Tatto.O secretário dos Transportes lamentou a falta de acordo e garantiu que a Prefeitura não demitiu ninguém, apenas descredenciou as empresas que não estavam agindo de acordo com o novo modelo implantado pela prefeitura. "Está claro que o Sindicato dos Condutores não quer acordo e seu presidente (Edivaldo Santiago) está mais preocupado com as eleições do que com os funcionários demitidos", disse. Tatto classificou Edivaldo Santiago de pseudo-sindicalista e disse não ter dúvidas que essa greve é política.Além de criticar o sindicato da categoria, Tatto também disparou críticas contra a Polícia Militar de São Paulo: "A PM está muito passiva e está deixando a coisa rolar solta. Não há segurança para quem sai às ruas." O secretário dos Transportes disse também que está muito apreensivo com a greve de ônibus que está ocorrendo na cidade de São Paulo e, no seu entender, o presidente do Sindicato dos Condutores deveria ser preso: "O Edivaldo é campeão de greves. Isso é caso de polícia e este lado podre do sindicato tem que acabar".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.