Travesti de 14 anos é assassinado em Maceió

Um adolescente de 14 anos foi assassinado no último final de semana com 11 tiros de pistola calibre 380 próximo a sua residência, em Maceió. O caso foi registrado na Delegacia de Plantão III, no bairro de Jaraguá, onde os policiais informaram que o menor era travesti e se prostituía entre as praias de Ponta Verde e Pajuçara.Segundo informações do Movimento Pró-Vida do Grupo Gay de Alagoas (GGAL), vários trabalhos foram realizados na tentativa de retirar o menor da prostituição, mas o garoto se negava. O presidente do GGAL, José Carlos Mérten, disse que Eric era um travesti problemático, pois estava envolvido com drogas e na marginalidade."Infelizmente (o rapaz) era problemático, mas isso não justifica a barbaridade que cometeram com ele", comentou Mérten. Segundo ele, o rapaz estava participando de um projeto do Pró-Vida, onde tinha aulas de cabeleireiro na tentativa de largar a prostituição e ter uma profissão que não traga riscos, mas praticou pequenos furtos contra clientes e companheiros do curso. "Mesmo assim, vamos cobrar punição para os culpados, pois nada justifica o crime", completou Mérten.No Instituto Médico Legal, no último domingo, a família do menor estava revoltada com a morte do garoto e chegou a atribuir o assassinado a polícia. O motivo do assassinato teria sido porque ele chegou a roubar o celular de um policial militar, mas até o momento a versão não foi confirmada.Militantes do Movimento Gay que trabalham no Pró-Vida afirmaram que tentaram a retirada do menor da prostituição com a ajuda do Conselho Tutelar, mas os conselheiros não quiseram se envolver com o caso. O assassinato será investigado pela Delegacia de Crimes contra a Criança e o Adolescente, com a delegada Ana Luíza Nogueira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.