Trecho de 80 m do Fura-Fila cede e pára sobre viaduto

Após 40 toneladas de contrapeso, estrutura foi estabilizada ontem à tarde

Eduardo Reina e Camilla Rigi, O Estadao de S.Paulo

02 de abril de 2008 | 00h00

Inexplicável até agora, o acidente num trecho das obras do Expresso Tiradentes, antigo Fura-Fila, causou enormes problemas de congestionamento em São Paulo ontem. Uma estrutura com 80 metros de comprimento e cerca de 800 toneladas, segundo dados do consórcio responsável pela obra (a Prefeitura informa 64 metros e 960 toneladas), cedeu por volta das 23h30 de segunda-feira. O braço inclinou-se até parar na mureta do Viaduto Grande São Paulo, que liga a Avenida dos Estados à Avenida Luiz Inácio de Anhaia Mello, Vila Prudente, e ao ABC paulista. Todo o trecho ficou interditado até 19h30. Foram necessárias 40 toneladas de contrapeso para nivelar e reequilibrar a ponte.Ninguém ficou ferido. Os 20 operários que trabalhavam no local conseguiram sair a tempo. "Houve um pequeno escorregamento. A peça foi escorregando devagarzinho até encostar no viaduto", disse o prefeito Gilberto Kassab (DEM). "O importante é sempre a segurança da obra. Nós jamais faríamos a manutenção da data sacrificando a segurança", afirmou Kassab sobre a previsão de inaugurar o trecho em 18 de maio. Agora, a data de inauguração do trecho de 2,8 quilômetros do Expresso Tiradentes sobre o Rio Tamanduateí é incerta.Dois guindastes ajudaram no trabalho de recolocação da peça no lugar. O professor Claudio Vidrih Ferreira, do Departamento de Engenharia Civil da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Bauru, disse desconhecer acidentes iguais a esse no País. "É muito provável que tenha ocorrido sobrecarga localizada, com migração de tensão para um lado", disse Ferreira. Em outras palavras, teria havido sobrepeso de um dos lados do corpo da obra.O diretor de Infra-Estrutura da São Paulo Transportes (SPTrans), Pedro Evangelista, disse que o deslizamento não deveria ter acontecido. "Não há nenhum método revolucionário nessa construção. Todos já estávamos acostumados com esse tipo de obra. Nunca vi desequilíbrio desses. Não é comum nessas obras." O consórcio responsável pela obra, formado pela Andrade Gutierrez e Carioca Engenharia, vai avaliar se houve dano na estrutura. Um laudo deve ser concluído em até 30 dias. "Precisamos avaliar se houve comprometimento. Aparentemente não houve nenhum dano, mas será preciso fazer perícia. A liberação para continuidade da obra ocorrerá somente depois disso", disse Rodolfo Mantuano, diretor da Carioca.Além do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), a Prefeitura deverá contratar outra empresa para fazer a perícia. "Se for constatado erro da construtora, haverá punições, como reza o contrato", disse o prefeito. O Viaduto Grande São Paulo não sofreu sobrecarga de peso, com acomodação da estrutura.ACELERA, FREIAEm dias de trânsito normal, os quase 8 km entre o início da Avenida Salim Farah Maluf e o cruzamento entre as Avenidas Paes de Barros e Anhaia Mello são percorridos em 15 minutos. Ontem, alguns motoristas passaram mais de quatro horas para cruzar esse pequeno trecho que desemboca no Viaduto Grande São Paulo. Pelo semáforo do cruzamento, que fica aberto um minuto e 50 segundos, passavam no máximo meia dúzia de carros e quatro ou cinco caminhões a cada sinal verde."Devo estar nesse trecho há quase quatro horas", reclamava Eder Mazzeto, que disse ter saído da Via Dutra às 10 horas. Já passava das 14 horas quando cruzou a Paes de Barros. Para Antonio Dias Carvalho, a situação era pior. Saí às 11h40 de Vinhedo e precisava chegar até as 17 horas a Diadema para entregar uma carga de suco de laranja. "Se não chegar a tempo, terei de voltar com a carga."COBRANÇA Pré-candidato à Prefeitura, Kassab vistoriava as obras de adequação viária de cruzamento na região central, na quarta-feira passada, quando questionou o diretor Pedro Evangelista sobre a conclusão do trecho. "Doutor Pedro, que dia que vai ficar pronto o Expresso Tiradentes? A data? 18 de Maio? 18 de Maio. Agora vou cobrar do diretor. Ele já deu a data em primeira mão", disse.Pessoas ligadas ao consórcio e ao Executivo admitem que nesse período pré-eleitoral há "certa pressão" para que as obras sejam entregues o mais rápido possível. Kassab disse que não. "Está atrasada, inclusive. Até porque a engenharia tem prazos e cronogramas técnicos que não podem ser acelerados", ressaltou. A execução do trecho 3 do Expresso Tiradentes para implantação do ramal da Vila Prudente teve início no final do ano passado e recentemente teve o ritmo acelerado. Custou R$ 93,8 milhões até agora aos cofres municipais, com parte da verba vinda do governo federal. Tem 2,8 quilômetros de extensão, e deveria estar pronto em 31 de julho do ano passado, quando terminou o contrato com o Consórcio Ramal Vila Prudente.O trecho acidentado utilizou o método chamado balanço sucessivo, em que a construção é feita pelo alto da estrutura, para evitar problemas no trânsito. São módulos pré-moldados de dois metros de extensão que são acoplados um a um por um mecanismo hidráulico. Nesse caso, cada gomo fica pronto a cada sete dias.Em São Paulo há pontes construídas com o método de balanço sucessivo, como a do Morumbi, sobre o Rio Pinheiros. Foi construída também uma no Trecho Oeste do Rodoanel, sobre o Rio Tietê, em Barueri. A segunda pista da Rodovia dos Imigrantes, em pleno Parque Estadual da Serra do Mar, utilizou esse método.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.