Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Tremor causa preocupação sobre estabilidade de barragem em Minas; empresa garante segurança

Barragem em Congonhas é uma das maiores da América Latina e está perto de área urbana. CSN Mineração disse à prefeitura que tremor não afetou estrutura

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de novembro de 2019 | 00h01

SÃO PAULO - Moradores da cidade de Congonhas, no interior de Minas Gerais, relataram preocupação diante de um tremor sentido na região na noite desta segunda-feira, 25. O receio é direcionado a possíveis efeitos do tremor sobre a estabilidade da barragem Casa de Pedra, da CSN Mineração. À prefeitura local, a empresa disse que o abalo sentido não causou nenhuma anomalia na estrutura. 

Em nota divulgada nas redes sociais, a prefeitura disse ter recebido diversos relatos sobre os tremores. A administração municipal, então, disse ter contatado pessoas para verificar a origem do fenômeno e para averiguar se a causa foi natural ou provocada por algum acidente. "A primeira preocupação foi com a condição de estabilidade da estrutura da Barragem Casa de Pedra, que é a mais próxima da área urbana.  Nossas equipes seguem monitorando esta situação, além de estar em contato constante com as empresas e autoridades competentes para saber o que ocasionou o tremor."

Em fevereiro, uma semana depois da tragédia de Brumadinho, o Estado esteve na cidade e constatou um clima de medo. Em Congonhas, considerando bairros vizinhos, o total de vulneráveis a uma das maiores barragens da América Latina seria de 10 mil pessoas. Na cidade histórica, a comunidade Gualter Monteiro – residencial formado há três décadas, com 2 mil habitantes – era vista pela prefeitura como um risco iminente. Em fevereiro, a prefeitura de Congonhas afirmou que o esvaziamento do depósito de rejeitos era uma bandeira da administração.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.