Tremor deixa pelo menos 2 mortos e 150 feridos

Mais de mil casas ruíram em cidade chilena localizada a 40 quilômetros do epicentro do terremoto

AP, EFE e REUTERS, O Estadao de S.Paulo

15 de novembro de 2007 | 00h00

Um terremoto de 7,7 graus na escala Richter - que vai de 1 a 9 - atingiu a região de Antofagasta, no norte do Chile. O tremor, que se estendeu por cerca de 2 mil quilômetros do território chileno, deixou pelo menos 2 mortos e 150 feridos e cerca de 4.000 desabrigados, até as 23 horas de ontem. Segundo informação do governo 50 trabalhadores se encontram bloqueados em um túnel. Olga Ortiz, de 54 anos, foi atingida por um desabamento quando tentava abandonar sua casa. Leontina Espejo, de 88, não resistiu à queda de um muro sobre ela. Segundo o Departamento de Sismologia da Universidade do Chile, o epicentro foi a cerca de 60 quilômetros de profundidade de Quillagua, um pequeno vilarejo de pouco mais de cem pessoas a 40 quilômetros de Tocopilla - que fica a 1,6 mil quilômetros da capital, Santiago. O prefeito de Tocopilla, Luis Cruz, informou que pelo menos 1,2 mil casas foram derrubadas, mas o número pode passar de 4 mil. A presidente do Chile, Michelle Bachelet, viaja hoje para a região, onde há importantes minas de cobre, para avaliar os danos.Sismólogos chilenos disseram que, apesar de intenso, o tremor não causou mais mortes porque não houve ruptura da superfície e pelo fato de a região, cercada pelo Deserto de Atacama, ser de baixa densidade populacional.Autoridades chilenas descartaram as chances de um tsunami se formar na costa do Pacífico por conta do tremor, que ocorreu por volta de 12h40 (13h40, em Brasília). Horas depois, outro terremoto de 6 graus atingiu a mesma região, mas ainda não havia informações sobre novos danos.O primeiro tremor foi sentido em várias regiões chilenas. Alguns prédios de Santiago chegaram a balançar. Os reflexos também foram percebidos no sul do Peru. Até no Brasil o efeito foi discretamente sentido (leia texto ao lado).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.