Fernando Frazão/Agência Brasil
Fernando Frazão/Agência Brasil

Três anos após incêndio, começa restauração da fachada do Museu Nacional

Parte externa do imóvel será igual à original; única diferença no telhado é que alguns trechos serão transparentes para que o interior receba luz natural

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

12 de novembro de 2021 | 18h38

RIO - Mais de três anos e dois meses após o incêndio que destruiu a sede do Museu Nacional, no Rio de Janeiro, a fachada e o telhado do prédio começam a ser restaurados. Uma cerimônia realizada nesta sexta-feira, 12, dentro do prédio, na Quinta da Boa Vista, em São Cristóvão (zona norte), marcou o início da recuperação da parte externa do imóvel, que continua cercado por tapumes e coberto por uma gigantesca estrutura de metal, para protegê-lo das chuvas. A fachada será igual à original, e a única diferença no telhado é que alguns trechos serão transparentes, para que o interior receba luz natural.

A previsão é que essa parte das obras termine até 7 de setembro de 2022, para que o museu sedie parte das comemorações do bicentenário da independência do Brasil. As obras internas só devem ficar prontas em 2026.

"Hoje nós damos o pontapé inicial para virar a página de uma das maiores tragédias que aconteceram no campo científico e cultural do nosso país. Aprendemos, da pior forma possível, mas aprendemos. Temos a chance de construir uma instituição que sirva de referência e modelo, não só no Brasil, mas na América Latina”, afirmou o diretor do Museu, Alexander Kellner, durante a cerimônia.

A obra da fachada e do telhado vai custar R$ 23,6 milhões e será executada pela Concrejato Engenharia, empresa vencedora da licitação específica para essa etapa. A empresa tem mais de 40 anos e é reconhecida por trabalhos de restauração de monumentos históricos, como os prédios da Biblioteca Nacional e do Palácio Gustavo Capanema, no Rio, e da Catedral da Sé e da Biblioteca Mário de Andrade, em São Paulo.

“O processo licitatório foi coordenado pela Associação Amigos do Museu Nacional e a obra será administrada por ela”, afirmou Luiz Fernando Dias Duarte, presidente da associação.

Toda a obra de reconstrução do museu deve custar cerca de R$ 380 milhões, dos quais até agora foram arrecadados 65%, principalmente advindos de doações de empresas como Bradesco e Vale e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

O projeto de reconstrução do prédio foi dividido em quatro blocos. A obra agora iniciada se refere ao bloco 1. As obras nos outros três setores ainda estão em fase de projeto, que deve ser concluído em 2022.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.