Robert Galbraith/Reuters
Robert Galbraith/Reuters

Três carros da Uber são apedrejados no fim de semana em BH

Segundo os motoristas, ataques foram feitos por taxistas; passageira teria sido atingida e ficado com o queixo ferido

Leonardo Augusto, Especial para o Estado

25 Abril 2016 | 12h11

BELO HORIZONTE - Três veículos do sistema Uber foram atacados durante o fim de semana em Belo Horizonte. Segundo ocorrências registradas pela Polícia Militar por motoristas do aplicativo, as agressões partiram de taxistas. Duas aconteceram na madrugada deste domingo, 24, em bairros da região centro-sul da capital. O outro ataque foi de sexta-feira, 22, para sábado, 23, no oeste da cidade. Em todas as ocorrências, os veículos tiveram vidros danificados por pedras.

Os ataques da madrugada deste domingo aconteceram com intervalo inferior a 40 minutos no bairro Cruzeiro. Na primeira ocorrência registrada pela PM, por volta das 2h45, o motorista da Uber relatou que passava pela Avenida do Contorno quando um taxista com o carro estacionado na via percebeu a passagem de seu veículo e atirou uma pedra. O motorista do aplicativo anotou a placa do veículo e passou para os policiais militares, que localizaram o taxista - ele negou a agressão.

A segunda ocorrência foi registrada por volta das 3h20. O motorista da Uber relatou aos policiais que recebeu um chamado para a Rua Piauí, no bairro Santa Efigênia. Ao chegar ao endereço, três taxistas que estavam próximos do local atiraram pedras contra o carro assim que a cliente entrou no veículo. Neste caso, nenhum dos suspeitos foi localizado.

A reportagem não conseguiu contato com representantes da Uber. Em notas divulgadas anteriormente, a empresa afirmou repudiar as agressões contra os motoristas do aplicativo.

No primeiro ataque do fim de semana, na madrugada de sexta para sábado, um motorista do aplicativo parava em frente a uma boate do bairro Estoril para atender a duas clientes. Taxistas se aproximaram e atiraram pedras contra os veículos. Uma das passageiras teria ferido o queixo, mas deixou o local antes da chegada dos policiais. 

A reportagem tentou contato com o Sindicato Intermunicipal dos Condutores Autônomos de Veículos Rodoviários (Sincavir), mas ninguém atendeu aos telefonemas. O sistema Uber não é regulamentado em Belo Horizonte, mas o aplicativo continua em operação na cidade por força de liminar concedida pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJ-MG).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.