Três em cada dez vôos saem com atraso superior a uma hora

Segundo a Anac, apesar dos atrasos e longas filas, passageiros não vão passar o Natal nos aeroportos

22 de dezembro de 2007 | 18h46

Às 19 horas deste sábado, 22, 436 dos 1.357 vôos programados no País tinham atrasos. O número equivale a 32,1% dos vôos previstos e supera o boletim das 18 horas da Infraero, que apontava 31,5% de atrasos - dos 1.284 vôos programados desde a 0h do sábado, 404 apresentavam atraso superior a uma hora. Até às 19 horas, 91 vôos tinham sido cancelados, segundo a Infraero.   Apesar dos atrasos e longas filas, a presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Solange Vieira, afirmou neste sábado que os passageiros não vão passar o Natal nos aeroportos. Em entrevista ao canal GloboNews, Solange disse que a alteração na malha aérea prevista na Operação Verão, adotada na última sexta causou confusão para as companhias aéreas. E também atribuiu ao mau tempo atrasos registrados em alguns aeroportos.   Também neste sábado, o tenente-brigadeiro Cleonilson Nicácio, diretor de Operações da Infraero. "A malha passou muito bem no teste de hoje", disse ele em entrevista à GloboNews. Segundo Nicácio, os problemas causados pelo mau tempo em aeroportos do Sul refletiram em toda a malha. Para o diretor, o fluxo de passageiros deve reduzir gradativamente até o Natal, principalmente em direção aos Estados do Nordeste.   O diretor da estatal elogiou a atuação dos controladores de vôo e os chamou de "anjos". "(Os controladores)têm feito um trabalho excepcional dentro daquilo que se espera de um profissional responsável, sério", avaliou Nicácio. De acordo com ele, não há atualmente nenhum problema de controle de vôo no País.   Mais atrasos   No final da tarde, os atrasos no Tancredo Neves - que chegaram a 60% pela manhã - estavam em 50%, com o registro de 31 vôos com problema em 62 programados. Os problemas não chegaram a atingir a outra pista de BH. Na Pampulha, apenas um vôo registrou atraso superior a uma hora e outro foi cancelado, de sete agendados.   Em São Paulo, as taxas de atrasos e cancelamentos permaneceram praticamente no mesmo patamar ao longo do sábado. Às 18 horas, 26, dos 142 vôos programados em Congonhas mostravam atraso superior a uma hora (18,3% do total) e 23 haviam sido cancelados (16,2%). No Aeroporto Internacional de Guarulhos, a situação era pior, com 50 vôos cancelados em 193 marcados (25,9% do total) e 2 cancelados (1%).   No Rio de Janeiro, o Aeroporto Internacional Tom Jobim (Galeão) também foi o mais problemático do dia, com 31 atrasos em 117 vôos marcados até as 18 horas (26,5%) e seis cancelamentos (20%).   Em Brasília, até às 18h, 39,3% dos vôos programados mostraram atraso similar. Eram 35 vôos com problemas em 89 programados, e quatro cancelados.   Até aquele momento, alguns dos principais aeroportos do Nordeste tinham taxas de atraso superiores à média nacional: Recife (46,9%), Salvador (33,8%), Teresina (83,3%) e Natal (45,8%).   Texto alterado às 19h47 para acréscimo de informações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.