Três jovens são detidos com bomba em escola

Três estudantes - dois adolescentes de 16 anos e um maior de 18, que não tiveram seus nomes e iniciais divulgados pela polícia - foram detidos com uma bomba caseira, na manhã de hoje, na Escola Estadual Sudário Ferreira, no Jardim Portinari, em Franca, na região de Ribeirão Preto. A bomba, feita com bola de bilhar e pólvora, não explodiu. Todos foram levados ao 5º Distrito Policial para o registro do boletim de ocorrência e, em seguida, encaminhados à Vara da Infância e da Juventude, onde foram ouvidos e liberados. Um dos menores teria apenas visto a bomba, jogada no pátio da escola, e, ao pegá-la, foi flagrado por uma coordenadora de ensino, que avisou a direção, que, por sua vez, acionou a Polícia Militar. Quando a PM chegou à escola, o menor indicou os responsáveis pela bomba, que confessaram a confecção do artefato. Segundo a polícia, o adulto teria jogado a bomba no pátio e, como não havia explodido, pediu ao menor que a pegasse. Depois surgiu um terceiro envolvido, outro adolescente, que ajudou o adulto na confecção da bomba. O artefato será enviado pelo delegado do 5º DP, Pedro Luiz Dallaqua, que estava de folga hoje, para o Instituto de Criminalística, que avaliará sua potencialidade. A suposta bomba era formada por uma bola de bilhar que estava no interior de um saco plástico com pólvora. Ainda pela manhã, o juiz da Vara da Infância e da Juventude, José Rodrigues Arimatéia, ouviu os menores e o adulto. O menor que não tinha envolvimento direto, foi liberado. Os outros confessaram a confecção do artefato, mas alegaram que o levaram para participar de uma competição esportiva na escola, e que não tinham intenção de ferir alguém. O menor será observado e seu caso ainda será avaliado. O maior foi advertido pelo juiz e responderá processo criminal pelo fato. À tarde, cinco adolescentes que picharam o muro da mesma escola foram ouvidos pelo juiz Arimatéia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.