Três morrem atropelados por carro da polícia no Paraná

Delegado que dirigia veículo, sem identificação, não estava embriagado; vítimas eram mãe e dois filhos

Evandro Fadel, O Estado de S.Paulo

15 Outubro 2008 | 19h24

Três pessoas morreram, por volta das 20 horas de terça-feira, 14, na BR-277, no município de Balsa Nova, a cerca de 90 quilômetros de Curitiba, ao serem atropeladas por um carro descaracterizado da Polícia Civil do Paraná, que era conduzido pelo delegado Benedito Gonçalves Neto, chefe da Comissão de Promoções da Polícia Civil. "Foi uma fatalidade", qualificou a delegada de Palmeira, Valéria Padovani, responsável pelo inquérito que apura as mortes.   De acordo com a Polícia Rodoviária Estadual, Marli Camargo, de 30 anos, seu irmão Mateus, de 14 anos, e o filho Cauã Ferreira, de apenas 1 ano, tinham acabado de descer de um ônibus e atravessavam a rodovia, quando foram atingidos. "Estava chovendo, muito escuro e o carro estava em velocidade inferior à permitida", acentuou a delegada. Segundo ela, foi realizado exame de bafômetro, demonstrando que o condutor não tinha ingerido bebida alcoólica. "Isso está descartado", reforçou.   Ela acrescentou que a família de Marli morava na cidade e tinha se mudado para aquela zona rural havia dois dias. O delegado voltava para Curitiba depois de ter participado de uma reunião em Guarapuava, na região central do Estado. Ele estava acompanhado do delegado da Assessoria de Planejamento Operacional da Polícia Civil, Sebastião Ramos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.