Três mortos em disputa entre traficantes no Rio

Três pessoas morreram esta madrugada numa disputa entre traficantes por pontos de venda de drogas no Morro da Rocinha, localizado em São Conrado, zona sul do Rio, não duas, como divulgado pela manhã. Um grupo de 60 criminosos fez uma falsa blitz numa via próxima para seguir em carros roubados até a favela. Uma mulher furou o bloqueio e morreu com um tiro na nuca. Houve tiroteio com a Polícia Militar, mas parte do bando conseguiu escapar e entrou na Rocinha, onde houve novo confronto. Dois moradores morreram, vítimas de balas perdidas. A PM informou que fora avisada da invasão. Três pessoas foram presas.A ação começou por volta de 1 hora, quando o bando, vindo do Morro do Vidigal, iniciou uma blitz na Avenida Niemeyer, que liga os bairros do Leblon a São Conrado. A mineira Telma Velloso Pinto, de 38 anos, que estava com o marido, Renato Gonzaga, e três sobrinhos adolescentes, foi surpreendida pelos criminosos, armados e encapuzados. Ela não parou no bloqueio e foi morta com um tiro de fuzil. Telma perdeu o controle do veículo e bateu numa mureta. Gonzaga e os sobrinhos Bernardo, 15, Artur, 16, e Vinícius ficaram levemente feridos. O corpo dela seguiria para Minas Gerais ainda hoje.A Polícia Militar, que estava na entrada e na saída da Avenida Niemeyer, seguiu para o local da falsa blitz e houve troca de tiros. Parte do grupo de traficantes conseguiu escapar e seguiu em quatro carros e duas Kombi roubados para a Rocinha. Segundo testemunhas, os traficantes chegaram à favela atirando. Ainda assustados, alguns moradores contaram que o bonde (comboio de carros) continuou subindo, até que num ponto conhecido como "Curva do S" teriam se deparado com os traficantes que dominam a Rocinha. Houve tiroteio e Fabiana Santos Oliveira, de 24 anos, que descia a rua para buscar a irmã na entrada da favela, foi atingida. Ela morreu no local e seu corpo ficou na rua por quase 12 horas, até ser removido. Um pouco mais à frente, Wellington da Silva, de 27 anos, também foi atingido por uma bala perdida e morreu.Segundo a polícia, o ataque à Rocinha foi liderado pelo traficante Eduíno Eustáquio de Araújo, o Dudu, que tenta tirar do poder o rival Luciano Barbosa, o Lulu. "O Dudu liderou o bonde porque quer o lugar do Lulu. Esta era uma invasão anunciada", disse o delegado Maurício Demétrio, da delegacia do Leblon. Segundo ele, Dudu saiu do Vidigal, que margeia a Avenida Niemeyer, e contou com apoio de criminosos de outras favelas, como Vigário Geral, Borel, Complexo do Alemão, Fazendinha, entre outras da zona norte. Dudu e Lulu estão foragidos.

Agencia Estado,

09 de abril de 2004 | 18h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.