Três PMs ficam feridos após confusão em baile funk no Rio

Uma moradora do Morro do Turano também se feriu; policiais foram recebidos a pauladas e pedradas

Tiago Rogero, estadão.com.br

15 Agosto 2011 | 10h36

RIO - Três policiais e uma moradora ficaram feridos após confusão no fim da noite de domingo em um baile funk no Morro do Turano, no Rio Comprido, na zona norte do Rio. A comunidade conta com uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) desde setembro do ano passado. De acordo com a secretaria de Estado de Segurança (Seseg), os PMs foram recebidos a pauladas e pedradas, e o Batalhão de Choque foi acionado para controlar o tumulto.

 

Treze pessoas foram presas. Segundo a Seseg, por volta de 23h30, os PMs da UPP do Turano foram até uma quadra, no alto da comunidade, após "reclamações de moradores" a respeito de som muito alto. Alguns frequentadores reagiram à chegada dos dez policiais, e três militares foram agredidos. Mais cedo, os moradores fizeram uma festa na quadra em comemoração ao Dia dos Pais. Já o baile funk, no entanto, foi realizado sem autorização.

 

Os policiais da UPP acionaram o Batalhão de Choque, e 20 PMs chegaram para dar apoio. Após mais uma reação dos frequentadores do baile, segundo a Seseg, os militares atiraram com munição não letal (balas de borracha) e borrifaram spray de pimenta. Com o fim da festa, moradores teriam começado a fazer vandalismo pelo Turano, quebrando lixeiras.

 

Os policiais e a moradora tiveram ferimentos leves e foram encaminhados para exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal. Os detidos, a maioria menores de idade, foram levados para a 18ª DP (Praça da Bandeira), onde o caso foi registrado.

Segundo o presidente da Associação de Moradores do Morro do Turano, Gilson Rodrigues, a população está descontente porque os bailes estão proibidos de ultrapassar as 22h. Ele disse que fez uma solicitação ao comando das UPPs para que liberasse o horário do baile, pelo menos as sextas-feiras e sábados.

Mais conteúdo sobre:
Morro TuranoUPPRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.