Três PMS suspeitos de assassinar juíza serão transferidos no Rio

Patrícia Acioli foi assassinada em 11 de agosto, quando seu carro foi atingido por 21 tiros

Priscila Trindade, estadão.com.br

19 Setembro 2011 | 21h39

SÃO PAULO - Três policiais militares suspeitos de assassinar a juíza Patrícia Acioli, em agosto, no Rio de Janeiro, serão transferidos da Unidade Prisional da PM em Benfica, na zona norte, para diferentes unidades.

Segundo a Polícia Militar, a decisão da 3ª Vara Criminal de Niterói deve ser cumprida na noite desta segunda-feira, 19. O tenente Daniel dos Santos Benitez será levado para o presídio de Bangu 8. Os cabos Sérgio Costa Júnior e Jefferson de Araújo Miranda irão para outras unidades.

A juíza foi assassinada no dia 11 de agosto. O carro dela foi atingido por 21 tiros de armas de uso restrito. Em depoimento, dois dos suspeitos negaram envolvimento no crime e o outro se recusou a falar.

Os três PMs do Grupo de Ações Táticas (GAT) do 7º BPM (São Gonçalo) tiveram as prisões temporárias decretadas no último dia 11 pelo plantão judiciário de Niterói, na região metropolitana do Rio.

Segundo as investigações, eles tiveram a prisão decretada no dia da morte de Patrícia pelo assassinato de Diego de Souza Beliene, de 18 anos, no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, em 3 de junho. O inquérito sobre e morte da juíza deve ser concluído em 30 dias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.