Três policiais militares são mortos no Rio

Três policiais foram mortos na região metropolitana do Rio entre a noite de sábado e a manhã deste domingo. Em apenas um dos casos, o crime parece ter sido planejado por bandidos em retaliação a uma operação policial. Marcelo Pereira da Costa, de 36 anos, foi executado a tiros dentro do carro, onde também estava a filha dele, Raíssa, de 7 anos. A menina foi atingida no ombro e na perna. O crime aconteceu por volta das 22h30 da noite de sábado. O policial passava por uma rua de Campo Grande, na zona oeste do Rio, quando bandidos que ocupavam um carro não identificado emparelharam com o Kadett preto do policial e atiraram. Costa foi atingido e perdeu o controle do veículo, que caiu num canal da Rua Manoel Caldeira de Alvarenga. Bombeiros entraram no local e conseguiram resgatar Raíssa. A menina foi levada para o Hospital Rocha Faria e está fora de perigo. Costa era lotado no Grupamento Tático Móvel (Getam), unidade do Batalhão de Choque da PM, mas estava de folga na noite de sábado. A polícia suspeita que o assassinato seja uma retaliação a uma operação na Favela do Barbante, próxima do local do crime, feita pela PM durante o sábado para reprimir o tráfico de drogas. O caso será investigado pela delegacia de Campo Grande (35ªDP).Outras vítimasNo início da madrugada deste domingo, o policial rodoviário federal Marlon de Oliveira foi morto com cinco tiros. Depois do ataque, os dois bandidos roubaram o carro dele, um Fiesta preto. Oliveira foi rendido pelos assaltantes numa rua do bairro Parque Fluminense, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. O policial foi levado pelos criminosos no carro e, provavelmente, descobriram a identidade do policial no caminho e o mataram. O corpo foi abandonado na Avenida Presidente Kennedy, no Centro de Caxias. O caso vai ser investigado pela delegacia da cidade (59ºDP). Oliveira foi sepultado na tarde deste domingo, no cemitério de Inahaúma, na zona norte da capital. O cabo Alex Barbosa Santana, de 36 anos, morreu durante uma operação do batalhão de Rocha Miranda (9º BPM) na favela de Acari, na zona norte da cidade, também no domingo. Ele foi baleado numa troca de tiros entre policiais e traficantes. Levado para o Hospital Carlos Chagas, em Marechal Hermes, já chegou morto à unidade. A incursão foi realizada por causa de uma denúncia com a localização de bandidos armados, mas ninguém foi preso. O caso foi registrado na delegacia da Pavuna (39º DP).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.