Três prefeitos são presos por desviar verbas na Paraíba

Desvio causou um prejuízo aos cofres públicos de mais de R$ 65 milhões, segundo a Polícia Federal

Solange Spigliatti, Estadão.com.br

28 Junho 2012 | 11h20

SÃO PAULO - Três prefeitos e três secretários municipais da Paraíba foram presos nesta quinta-feira, 28, acusados de participar de uma quadrilha que desviava recursos públicos em 13 cidades paraibanas. O desvio causou um prejuízo aos cofres públicos de mais de R$ 65 milhões, segundo a Polícia Federal. Ao menos 10 servidores públicos já foram presos.

De acordo com a PF, o bando desviava recursos públicos federais, estaduais e municipais destinados a custear a realização de eventos festivos em diversos municípios da Paraíba, como shows pirotécnicos e montagem de estruturas para eventos. Foram detectados o desvio de aproximadamente R$ 15 milhões em recursos federais e de aproximadamente R$ 50 milhões em recursos estaduais e municipais.

Os investigados fraudavam licitações através da utilização de empresas fantasmas e de documentos falsos, contando com a participação de servidores públicos e, em alguns casos, dos próprios prefeitos municipais, para operacionalizar o esquema.

A operação Pão e Circo, responsável pela ação, deve cumprir 93 mandados judiciais, sendo 65 de busca e apreensão, 28 de prisão temporária, cinco de condução coercitiva, além de ordens de sequestro de bens móveis e imóveis, de acordo com a PF.

Dos 65 mandados de busca e apreensão, 13 estão sendo cumpridos na sede das prefeituras de Cabedelo, Sapé, Solânea, Jacaraú, Itapororoca, Boa Ventura, Alhandra, Mamanguape, Mulungu, Santa Rita, Conde, Cuité de Mamanguape e Capim.

Participam da operação o Ministério Público da Paraíba (MPPB), que apurou o desvio de recursos públicos municipais e estaduais, Polícia Federal (PF), que apurou o desvio de recursos públicos federais destinados aos municípios contemplados com as verbas repassadas, e a Controladoria Geral da União (CGU).

Mais conteúdo sobre:
Desvio de verbas Paraíba crime

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.