Três presos com cocaína no Aeroporto de Cumbica

Um brasileiro, uma tailandesa e um holandês foram presos, na noite desta sexta-feira, por agentes da Polícia Federal, no Aeroporto Internacional de São Paulo, no bairro de Cumbica, na cidade de Guarulhos, região metropolitana da capital. Os três, cada qual com um destino diferente, estavam traficando cocaína. A droga apreendida totalizou quase 22 quilos e os presos foram autuados em flagrante e encaminhados à carceragem da PF na Lapa.A primeira prisão aconteceu às 13h30, quando a tailandesa Miss Inthira Khamnak, de 27 anos, tentava embarcar para Bangkok, em um vôo da Swiss Air. A mulher levava cinco quilos e 110 gramas de cocaína escondidos no forro de uma bolsa. Segundo os agentes, ela estava há uma mês em São Paulo, não fala português e seu inglês é precário. ?Uma típica ?mula? utilizada por traficantes internacionais?, comentou um policial.Ela permaneceu em São Paulo por um mês, aguardando o preparo da droga para a viagem. Ia apanhar um vôo para o qual os agentes dedicam especial atenção, pois faz escala em Zurique e é muito usado por traficantes. O caso do DJ brasileiro, Luiz Alberto Faria Cafiero, também de 27 anos, preso por volta de 19h00, foi mais pitoresco. A droga, que pesou 7 quilos e 300 gramas, estava presa entre duas pranchas de surf, dentro de uma mesma capa, que estavam sendo despachadas. Havia mais uma prancha em outra capa e o que despertou a suspeita dos policiais é que Cafiero tem a pele muito clara, diferente do bronzeado típico dos surfistas.Natural de Brasília, ele anima festas em Florianópolis e, segundo a polícia, distribui drogas nesses eventos. O vôo da South Afrika Airlines, que ia apanhar, faz escala em Johannesburgo. Lá, faria a conexão para a Indonésia, onde entregaria a cocaína e receberia uma carga de skunk para vender na capital de Santa Catarina.A terceira detenção foi às 21h00, quando a mala do holandês Glenn John Roelof de Miranda, de 44 anos, passou pelo raio X. Entre roupas íntimas e pacotes de café havia três sacos plásticos contendo no total 9 quilos e 235 gramas também de cocaína. O vôo da KLM em que embarcaria o acusado destinava-se a Amsterdã, outra capital que faz parte das rotas mais comuns ao tráfico internacional.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.