Três presos em Arujá com mais de 1,6 tonelada de maconha

Policiais militares que faziam a ronda na região do Arujá Golfe Clube, na cidade de Arujá, na Grande São Paulo, encontraram um carregamento de maconha com mais de 1,6 tonelada do entorpecente, misturada a uma carga de sacos de arroz. Foram presos o motorista do caminhão, um suposto ajudante e uma adolescente de 17 anos. Separados, cada um contou uma história diferente. Ao vasculhar um matagal próximo, os PMs encontraram dezenas de fardos contendo tijolos de maconha. A placa do caminhão é da cidade paranaense de Cascavel, mas o motorista, que se identificou como Sérgio Augusto Denarde Felipe, de 34 anos, veio de Foz do Iguaçu. Ele não informou a origem da droga, mas a polícia suspeita que seja do Paraguai. Nos dois aparelhos celulares encontrados com eles, os policiais identificaram números de São Paulo, de Guarulhos, do Rio de Janeiro e de outras localidades. Os PMs contam que viram pelo menos cinco vultos, que fugiram, se embrenhando no matagal. Nenhum deles foi apanhado. No mato foram encontrados mais 60 fardos com cerca de 100 tijolos de maconha cada. "Eles colocaram a carga de arroz por toda a volta da carroceria e deixaram a área central. Depois de colocar os fardos da droga, cobriram com os sacos de arroz restante", explica o tenente Luiz Alberto da 3ª Companhia do 31º Batalhão da Polícia Militar Metropolitano. A garota que foi presa durante a ação fez questão de afirmar em seu depoimento que não tinha envolvimento com o suposto esquema. Ela afirmou que é prostituta e estava na beira da estrada esperando algum caminhoneiro parasse para programa. Afirma que os dois homens a teriam convidado para ir àquele local isolado, prometendo pagar bem, caso satisfizesse seus desejos. Estava em ação quando a polícia chegou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.