Três são presos em SC por agenciar jovens para prostituição

Mulheres argentinas eram atraídas com promessas de emprego no Brasil e obrigadas a se prostituírem

Solange Spigliatti, da Central de Notícias,

20 Agosto 2009 | 13h38

Um taxista e um casal foram presos nesta quinta-feira, 20, acusados de agenciar jovens argentinas para prostituição em Santa Catarina, segundo informações da Polícia Federal, que deflagrou a Operação Messalina. Estão sendo cumpridos cinco mandados de busca e apreensão e quatro mandados de prisão preventiva nas cidades de Rio do Sul, Ituporanga e Dionísio Cerqueira.

 

A investigação foi iniciada em 2007, quando diversas mulheres argentinas, da região de Bernardo de Irigoyen e Wanda, denunciaram à Polícia Federal que teriam sido enganadas com promessas de falsos empregos no Brasil e levadas para a região de Rio do Sul e Papanduva, em Santa Catarina. Segundo a PF, pelo menos oito mulheres foram agenciadas dentro desse esquema.

 

Os exploradores não faziam os trâmites de ingresso dessas mulheres no Brasil pois queriam mantê-las na clandestinidade em território brasileiro. Ao chegarem, as jovens descobriram que haviam sido levadas para se prostituírem, muitas forçadamente, nas conhecidas "zonas".

 

As vítimas eram sempre mulheres em situação de vulnerabilidade por questões familiares ou pobreza. Uma das jovens encaminhadas chegou a levar o filho recém-nascido, com poucos dias de idade. Os administradores das "casas" chegaram a organizar um local denominado "creche" para que as prostitutas deixassem os filhos enquanto trabalhavam.

Mais conteúdo sobre:
prostituição Argentina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.