Três são presos por assalto no aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte

Criminosos renderam dez funcionários da Azul e levaram cofre, impressoras e telefones

Marcelo Portela, O Estado de S. Paulo

10 Julho 2013 | 11h24

BELO HORIZONTE - Três homens foram presos no fim da noite de terça-feira, 9, acusados de assaltarem uma empresa que funciona dentro da área do Aeroporto Carlos Drummond de Andrade, na Pampulha, em Belo Horizonte. Dois suspeitos de participação no roubo conseguiram fugir e ainda são procurados pela polícia. O alvo dos criminosos foi um estabelecimento da Azul Linhas Aéreas, principal operadora do terminal, que fica na área reservada a empresas de táxi aéreo, próximo ao hangar do governo de Minas Gerais.

Segundo a Polícia Militar, o crime ocorreu pouco após as 22h. Cinco suspeitos entraram pela garagem da empresa, onde renderam dez funcionários. Os criminosos estavam armados com revólveres e uma submetralhadora. O grupo roubou um cofre com aproximadamente R$ 6 mil, impressoras, computadores, telefones celulares e rádios comunicadores, além do dinheiro que estava no caixa da empresa. De acordo com as testemunhas, os acusados fugiram em um Fox prata e um Siena preto.

Pouco depois, porém, militares que faziam patrulhamento no bairro Guarani, na mesma região, viram na avenida Waldomiro Lobo um Fox com as mesmas características informadas pelas vítimas, que já haviam acionado a polícia. No veículo, os policiais encontraram um revólver calibre 32 e um plástico-bolha usado para embalar equipamentos eletrônicos. Os militares constataram também que a placa era adulterada e que o veículo era roubado.

O trio negou envolvimento no crime, mas Rodrigo Custodio Alexandre, de 25 anos, e Leandro Luiz de Oliveira, de 20, foram reconhecidos pelos funcionários da Azul. A PM acredita que Emerson Bonifácio tenha dado cobertura aos demais suspeitos. Na casa de um dos acusados foram encontradas três placas e chaves de automóveis.

A Polícia Civil informou que vai investigar o caso, inclusive a possibilidade de envolvimento de funcionários da empresa no crime, devido ao conhecimento que os assaltantes tinham da entrada e do dinheiro no cofre. Em nota, a Azul informou que está "colaborando com as autoridades policiais" e que presta "auxílio aos seus tripulantes presentes no momento do assalto". As imagens de câmeras instaladas na Rua Líder, onde fica a empresa, serão analisadas para auxiliar na apuração.

Mais conteúdo sobre:
Minas Gerais assalto

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.