Três sargentos do Exército presos por formação de quadrilha

Três sargentos da Brigada de Pára-Quedistas do Exército foram presos no quartel da Vila Militar sob acusação de formação de quadrilha, numa investigação que envolveu militares e agentes da Polícia Civil. O terceiro sargento Allessandro de Souza Galvão, de 27 anos, também é acusado de estelionato e receptação de carro furtado. De acordo com o inspetor Alexandre Torres, da 34.ª Delegacia Policial, em Bangu, na zona oeste, havia sido instalado no quartel um esquema de fraude de documentos para obter empréstimos em folha de pagamento junto a entidades que mantém convênios com o Exército.?Alguns militares estavam desconfiados e o comandante ligou para a polícia e pediu auxílio na investigação?, disse o inspetor.Segundo ele, quando foi preso em flagrante, ontem, Galvão estava com espelhos de identidade militar, contracheques falsos e um Fiat Tempra que havia sido furtado em São Paulo.Hoje foram presos Henrique José Amazonas Rodrigues, de 23 anos, que além da acusação de formação de quadrilha éacusado de receptação de veículo furtado, e Abílio da Silva, de 30 anos, que seria o atravessador de carros da suposta quadrilha.?Há uma ousadia muito grande por parte dos autores, que lesaram oficiais do próprio quartel. A sensação de impunidade é muito grande?, disse o inspetor da Polícia Civil. Segundo ele, há mais pessoas supostamente envolvidas sendo investigadas.?A suspeita do envolvimento de outros elementos na atividade ilícita, bem como a possibilidade de que haja a necessidade de investigações que extrapolem os prazos previstos na lei para remessa do Auto de Prisão em Flagrante ao Poder Judiciário, podem ensejar a instauração de um inquérito policial militar (IPM) por parte do Comando da Unidade, ou mesmo por requisição do Ministério Público Militar?, informou, em nota, o Centro de Comunicação Social do Exército.

Agencia Estado,

06 de abril de 2004 | 19h13

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.