Três taxistas são assassinados em Porto Alegre

Grupo de cerca de 60 motoristas fez buzinaço pelas ruas da capital gaúcha e se reuniu em frente à casa do governador do Estado, Tarso Genro, cobrando maior segurança

Lucas Azevedo, O Estado de S. Paulo

30 Março 2013 | 12h24

PORTO ALEGRE - Três taxistas foram assassinados na madrugada desse sábado, em Porto Alegre. Conforme a polícia, todos os casos possuem indícios de latrocínio. Ainda de madrugada, um grupo de cerca de 60 motoristas de táxi fez um buzinaço pelas ruas da capital, interrompeu a avenida Ipiranga, próximo ao Palácio da Polícia e, por fim, se reuniu em frente à casa do governador do Estado, Tarso Genro, cobrando maior segurança.

A primeira morte foi registrada por volta das 2h, na rua dos Nautas, Vila Ipiranga, zona norte. Edson Roberto Loureiro Borges, 50 anos, foi ferido mortalmente por disparos de arma de fogo. Ele dirigia um Passat, que foi encontrado na rua Bogotá, no bairro vizinho Jardim Lindóia.O segundo taxista foi encontrado meia hora depois, na rua São Jerônimo, no bairro IAPI, também na zona norte. Eduardo Ferreira Haas, 26, estava com pelo menos dois disparos na cabeça. Seu carro foi encontrado com manchas de sangue na rua São Jerônimo, no bairro Passo da Areia. O rádio do carro e documentos desapareceram.

Já o terceiro motorista foi localizado no bairro Mario Quintana, zona leste, por volta das 3h. Ele foi identificado como Cláudio Gomes, 59. Seu corpo estava caído junto ao táxi. Sua carteira foi achada próxima ao veículo, sem dinheiro.A polícia não descarta a relação entre os três casos. Na quinta-feira (28), outros três taxistas foram assassinados na região de Santana do Livramento, na fronteira com o Uruguai. Uma investigação apurando a relação entre as seis mortes não foi descartada.

No fim da madrugada, por volta das 5h, cerca de 60 taxistas realizaram protesto contra a falta de segurança. Depois de bloquearem a avenida Ipiranga, uma das principais da cidade, próximo ao Palácio da Polícia, os motoristas rumaram para o bairro Rio Branco, onde se concentraram em frente à casa do governador.“Na minha opinião, se essa informação está correta de que as barreiras estão sendo feitas em lugares impróprios, tem de mudar os lugares das barreiras”, disse Tarso, depois de receber representantes do motoristas dentro de casa. 

Os trabalhadores também pediram que seja adotado um novo procedimento nas abordagens policiais, que não só os motoristas, mas também passageiros sejam revistados. "Vamos fazer uma revisão completa. Se as reivindicações forem verdadeiras, e acho que são, mudaremos este procedimento”, afirmou o governador. Uma reunião entre representantes do sindicato da categoria e as forças de segurança pública está marcada para a próxima quarta-feira. Neste domingo, os taxistas prometem uma nova manifestação às 17h.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.