Três vítimas do vôo 1907 são enterradas em Goiás e SP

Centenas de pessoas acompanharam nesta quarta-feira, 11, os enterros de mais três vítimas do acidente do Boeing 737-800 da Gol que se chocou com o jato Legacy, no dia 29 de setembro. Foram sepultados os goianos Divino Martins da Silva, de 45 anos, e Glécio Rodrigues Morais, de 24 anos. Em Campinas, foi enterrado o engenheiro José Humberto Barato, 51 anos.No município de Aparecida de Goiânia, no Cemitério Jardim da Paz, a família prestou suas últimas homenagens a Divino Silva. Ele não constava da lista de 16 goianos mortos no acidente aéreo, porque viajava de Manaus para Salvador, no dia 29. Porém, se descobriu, nesta terça, que ele residia em Goiás - o que aumentou de 16 para 17 o número de mortos na chamada lista de goianos no vôo 1907.O consultor de informática Glécio Morais, foi enterrado no cemitério Jardim das Palmeiras, em Goiânia. Glécio e outros dois amigos inseparáveis - Marcelo Lopes, de 25 anos e Carlos Cruz, de 26 anos - voltavam para casa, em Goiânia, e estiveram em Manaus a negócios.Entre os passageiros goianos, ainda falta identificar os corpos de Agamenon Moreira de Araújo Rezende, 40 anos, Marcelo Lopes, de 24 anos, e Salustiano Rocha, de 47 anos.CampinasO engenheiro José Humberto Barato, 51 anos, foi enterrado na manhã desta quarta no cemitério Flamboyant, em Campinas, interior de São Paulo. Ele era uma das sete vítimas da região. Funcionário da Hewllet Packard há 12 anos, Barato viajou a trabalho. Ele era casado e tinha uma filha de 21 anos. Os familiares não quiseram dar entrevista. Na empresa, a única informação foi de que a família terá assistência necessária.A única família da região que ainda aguarda notícias é a do piloto de helicóptero Gustavo Cabrerizo. Ele morava com a mulher e dois filhos, de 4 e 6 anos, em São José dos Campos. Os pais de Cabrerizo eram de Campinas. Toda vez que o telefone de Aparecida toca, a dona de casa sente um misto de angústia e esperança. "Eu queria que alguém me ligasse para dizer que achou ao menos um dedinho, uma parte do meu filho", disse, chorando. Cabrerizo visitaria a mãe assim que chegasse da base da Petrobrás em Urucu, na Amazônia, onde estava a trabalho. "Fiz 73 anos no dia 29, dia do acidente. Minha nora ligou e disse que o Gustavo viria até minha casa. Ainda espero ele chegar", lamenta.IdentificaçãoO Instituto Médico-Legal (IML) de Brasília identificou no final da noite desta terça-feira, 10, outras seis vítimas do acidente com o Boeing da Gol no dia 29 de setembro após se chocar com um jato Legacy. Dos 154 mortos no acidente, já foram identificados 119. Desse total, 93 foram retirados pelos familiares do IML, que recebeu 142 corpos.Foram identificados por impressões digitais:Ronaldo Noé, de 49 anos, do Rio de Janeiro; Charlie Hudson Rangel de Oliveira, de 27 anos, do Rio de Janeiro; Mozart Sant´Ana Júnior, de 57 anos, do Rio de Janeiro; Daniel de Oliveira Silva, de 25 anos, de Pernambuco; Ricardo Leandro de Souza, 33 anos, do Espírito Santo; Marcelo Figueira Torres, de 50 anos, de Pernambuco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.