Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Treze pessoas mortas em deslizamentos em Teresópolis

Treze pessoas morreram soterradas em decorrência de deslizamentos de terra provocados por fortes chuvas em Teresópolis, na Região Serrana do Rio. O número de mortos deve ser maior, já que cinco moradores continuam desaparecidos. Onze pessoas ficaram feridas, uma delas em estado grave. Os desabrigados somam 300. A meteorologia prevê mais chuva para o Natal. No meio da noite deste domingo a Defesa Civil do Estado confirmou que mais quatro corpos foram encontrados sob escombros e terra no Morro do Perpétuo, em Teresópolis, na região serrana do Rio. Na tarde e na noite de sábado, foram registradas duas trombas d?água na cidade. Pelo menos dez casas construídas em morros foram levadas pela enxurrada. Neste domingo, oitenta pessoas ? bombeiros, servidores públicos municipais e voluntários ? participaram do trabalho de resgate.A governadora Benedita da Silva (PT) viajou de manhã até Teresópolis a fim de acompanhar as buscas e prestar solidariedade às famílias das vítimas. Ela prometeu ao prefeito Mário Tricano (sem partido) interceder junto ao Ministério da Integração Nacional para conseguir recursos para a recuperação da cidade, assim como fez com Angra dos Reis, no Sul do Estado, castigada pelas chuvas há duas semanas.Benedita criticou os governos passados pela falta de uma políticahabitacional eficiente ? em Teresópolis, assim como em Angra, é grande o número de ocupações irregulares que desmoronam durante a época de chuvas. ?É preciso uma política habitacional urgente no Estado para que novas tragédias não ocorram?, disse a governadora. O prefeito lembrou que, em 1999, Teresópolis foi bastante afetada por enchentes e que até agora não foram disponibilizados todos os recursos prometidos. Ele ainda não calculou os prejuízos com as novas chuvas. No último Natal, a tragédia foi no município vizinho de Petrópolis. Vinte e seis pessoas morreram. O total de vítimas no Estado na ocasião foi de 43.Neste domingo, fez sol à tarde em Teresópolis, mas, por volta das 15 horas, voltou a chover. O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) informou que as chuvas fortes estavam previstas para a Serra e também região do Vale do Paraíba. A precipitação foi provocada por uma frente fria localizada entre o Rio de Janeiro e São Paulo, associada ao forte aquecimento em Teresópolis na sexta-feira. Foram registrados na cidade 145,4 milímetros ontem, metade da média do mês todo. Segundo a meteorologista Marlene Leal, no Natal deverá chover forte novamente.Natal tristeOs planos para o Natal deram lugar à tristeza pela morte deparentes em Teresópolis. Chorando, Rosilene Altivo Tiago da Silva, de 34 anos, lembrou durante o velório da irmã Lúcia Eli Altivo Tiago, de 36, que a família comemoraria a data unida, em sua casa. ?Estava tudo combinado. Agora não teremos mais festa.? Lúcia participava de um aniversário de criança no Morro do Perpétuo. Na festa, em comemoração aos sete anos de Daiane Ramos, estavam ainda Rian de Jesus Moura, de um ano, e sua irmã Taís, de nove. As três crianças morreram, além da mãe de Daniane, Maria da Glória da Silva Ramos, de 47 anos. Eliane da Glória, de 41 anos, tia de Rian e Taís, contou no velório que os sobrinhos foram levados para a festa porque a casa deles ameçava desabar. ?A gente achava que estava salvando as crianças. Hoje, a casa está lá, de pé, e elas morreram.? Pelo menos outras oito pessoas estavam na casa. Os bombeiros passaram o dia de escavando em busca dos corpos, com pouca esperança de encontrar sobreviventes. Nem os familiares das possíveis vítimas acreditavam que eles seriam achados com vida. Desolada, Ana Maria dos Santos, de 48 anos, foi até o morro à tarde para saber notícias do neto Mateus, de seis. ?Estou há quase 24 horas aqui, esperando que tirem meu neto com vida. Mas acho que não tem mais jeito.?As casas que ficam próximas às dez que desabaram foram condenadas pela Defesa Civil e os moradores foram levados para abrigos na prefeitura. Até o início da noite, os bombeiros haviam retirado treze corpos dos escombros. Maria Elisa Alves da Silva, de 66 anos, Mário Pereira dos Santos, de 49, e Roberta Mota Lima, de 16, haviam sido identificados. O sepultamento foi neste domingo à tarde, no cemitério do centro de Teresópolis. Delma Cristina Mota, de 29 anos, é a ferida mais grave. Ela permanece internada no Hospital das Clínicas e corre risco de vida.

Agencia Estado,

22 de dezembro de 2002 | 18h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.