TRF aceita denúncia contra Bandarra e Deborah Guerner

Ex-procurador do DF e promotora são acusados de violação de sigilo profissional, concussão e formação de quadrilha

Felipe Recondo / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

16 Setembro 2011 | 00h00

O ex-procurador-geral do Distrito Federal Leonardo Bandarra e a promotora Deborah Guerner responderão a uma segunda ação penal no Tribunal Regional Federal da 1.ª Região. Ontem, a Justiça Federal recebeu denúncia contra ambos pelos crimes de violação de sigilo profissional, concussão e formação de quadrilha. Pelos crimes de concussão e formação de quadrilha, também responderão a ação penal a servidora pública Cláudia Marques e Jorge Guerner, marido de Deborah.

Bandarra e Deborah foram denunciados por deixar vazar informações sigilosas de uma das mais importantes investigações do Ministério Público no DF: a Operação Megabyte, que apurou o desvio de R$ 1,2 bilhão dos cofres públicos. A investigação, feita em 2008, atingiu Durval Barbosa, ex-secretário de Relações Institucionais e delator do "mensalão do DEM", cuja descoberta acabou por derrubar o ex-governador José Roberto Arruda.

De posse das informações sigilosas, Barbosa pôde destruir documentos que seriam importantes para a continuidade das investigações. Em troca, os promotores teriam exigido R$ 1 milhão. Conforme a denúncia, Cláudia Marques teria feito a intermediação entre Bandarra, Guerner e Barbosa. Jorge Guerner faria parte do grupo e das negociações.

A denúncia contra Cláudia e o casal Guerner foi recebida por unanimidade. Apenas uma desembargadora - Maria do Carmo Cardoso - votou contra a abertura da ação penal contra Bandarra. Três desembargadores não participaram do julgamento.

Bandarra e o casal Guerner já respondem a outra ação penal. Eles foram denunciados por extorquir dinheiro do ex-governador Arruda. De acordo com as investigações, eles teriam exigido R$ 2 milhões de Arruda para não divulgarem o vídeo em que ele aparece recebendo dinheiro das mãos de Barbosa, no esquema descoberto durante a operação Caixa de Pandora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.