Tribunal do Júri condena skinhead a 24 anos de prisão por morte de jovem

Em dezembro de 2003, criminosos obrigaram as vítimas a saltar de um trem em movimento

estadão.com.br,

20 de maio de 2011 | 23h18

SÃO PAULO - O Tribunal do Júri da Vara Distrital de Brás Cubas, em Mogi das Cruzes, condenou nesta sexta-feira, 20, Juliano Aparecido de Freitas a 24 anos e 6 meses de prisão pela morte de Cleiton da Silva Leite e tentativa de homicídio contra Flávio Augusto do Nascimento Cordeiro.

 

O crime aconteceu em dezembro de 2003, quando Juliano e mais dois rapazes, todos skinheads, obrigaram as vítimas a saltar de um trem em movimento. Cleiton morreu e Flávio perdeu o braço direito. O réu terá o direito de recorrer em liberdade, uma vez que já havia sido beneficiado por uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).

 

Os outros dois acusados, Vinícius Parizatto e Danilo Gimenez Ramos, respondem a processos separadamente. O julgamento de Vinicius está marcado para 28 de setembro e o de Danilo ainda não tem data.

Tudo o que sabemos sobre:
skinheadcrimeMogi das Cruzes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.