''Tribunal'' do PCC executou 22 neste ano

O "tribunal" do Primeiro Comando da Capital (PCC) condenou à morte 22 desafetos da facção criminosa neste ano, no Estado de São Paulo. Em todos os casos, a "pena capital" foi aplicada com crueldade. As vítimas foram torturadas, executadas a tiros e ainda tiveram os corpos queimados em porta-malas de veículos roubados e furtados. A Polícia Civil prendeu três acusados. Segundo o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), das 22 vítimas, 13 foram assassinadas na capital, 4 na Grande São Paulo (Itapecerica da Serra, São Bernardo do Campo, Cotia e Diadema) e 5 no interior (2 em Mogi-Guaçu, 1 em Jacareí e 2 em Bauru). Há suspeitas ainda de outras cinco execuções na Baixada Santista. O último caso foi registrado anteontem no Itaim Paulista, zona leste de São Paulo. A vítima foi identificada como Edivan Ferreira Teodoro, o Gordo, de 26 anos. O corpo foi encontrado carbonizado dentro de um Fusca vermelho. Policiais da Seccional de Itaquera prenderam Roberto Elias Silva, de 24 anos, conhecido como Monstro Tobé. Segundo a polícia, ele é do PCC.

O Estadao de S.Paulo

30 Outubro 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.