Tribunal livra da prisão parlamentar acusado de liderar criminosos

O Tribunal de Justiça do Espírito Santo concedeu, na noite de sexta-feira, habeas-corpus a José Carlos Gratz. O ex-presidente da Assembléia Legislativa do Espírito Santo estava preso desde o dia 13, sob acusação de desviar verbas do banco estadual capixaba para financiar bingos no Estado. Gratz deixou a delegacia do Canto, no centro de Vitória, na sexta-feira por volta das 21h30.O ex-deputado se entregou à polícia no aeroporto de Vitória. Ele era procurado desde a quarta-feira, dia 10, quando a Justiça decretou sua prisão a pedido do Grupo de Repressão ao Crime Organizado do Ministério Público Estadual (MPE). Esta foi a terceira prisão de Gratz, a segunda deste ano.O advogado do ex-deputado capixaba, Homero Mafra, informou que o desembargador Paulo Nicola Copolilo entendeu não haver motivos para manter Gratz preso. De acordo com Mafra, o ex-deputado recebeu a notícia da decisão do Tribunal de Justiça e foi direto para sua casa.Segundo o MPE, Gratz é um dos chefes de uma organização criminosa que teria desviado dinheiro do Banestes (o banco estadual capixaba) para casas de bingo no Espírito Santo. Segundo os promotores, existem provas que revelam o envolvimento de Gratz em um esquema de desvio de dinheiro público.Gratz responde a vários processos criminais na Justiça Estadual e Federal. Segundo o MPE, a prisão foi pedida porque ele representa perigo a ordem pública e, em liberdade, poderia atrapalhar as investigações e intimidar testemunhas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.