Tribunal rejeita punição por evento em Minas

O presidente Lula e a ministra Dilma Rousseff conseguiram ontem à noite se livrar de nova multa por propaganda eleitoral antecipada. Num julgamento apertadíssimo, por 4 votos a 3, o TSE rejeitou pedido dos partidos de oposição para que os petistas fossem punidos por irregularidades durante discurso do presidente em inauguração do câmpus universitário em Araçuaí (MG), em janeiro. Apesar de ter votado com a ala derrotada, o presidente do TSE, Carlos Ayres Britto, foi o destaque do julgamento. Ao votar na terça-feira, ele defendeu que Lula e Dilma fossem multados. Disse que existe no Brasil uma cultura política deturpada e que os governantes costumam confundir projeto de governo com projeto de poder. "O projeto de governo é legítimo, porque é em cima do projeto de governo, chamado de plataforma eleitoral, que o chefe de Poder Executivo é eleito." Mas, para ele, "o projeto de poder é antirrepublicano, porque não tem limite no tempo". Na terça, o julgamento foi interrompido por pedido de vista do ministro Marcelo Ribeiro, quando o placar indicava empate de 3 a 3. Ontem, depois de Ribeiro ter dado o seu voto, favorável a Lula e Dilma, Ayres Britto voltou a falar. Alertou que as inaugurações não devem servir para fazer propaganda eleitoral. Caso contrário haverá desequilíbrio do jogo eleitoral. / M.G.

, O Estadao de S.Paulo

19 de março de 2010 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.