Trilhas abertas para turismo em São Paulo

Área de preservação na zona sul deve ganhar estímulo econômico

Mônica Cardoso, SÃO PAULO, O Estadao de S.Paulo

09 de maio de 2009 | 00h00

São mais de dois quilômetros de caminhada por uma trilha cercada por vegetação preservada de mata atlântica. Bromélias, palmitos juçaras, bambus, samambaias açús e caetés enchem os olhos. Troncos de árvores servem como ponte para cruzar os riachos. No barro, é possível ver rastros deixados por antas e onças-pardas ou buracos cavados por tatus. O canto dos tangarás guiam o visitante. E a vista das águas límpidas da Cachoeira do Sagui compensa o esforço. Essa aventura, no entanto, começa bem antes, quando é preciso percorrer 14 km em estradinha de terra. No caminho, chácaras com plantações e criação de gado e o friozinho de serra compõem o cenário bucólico. Acredite, esse paraíso fica no município de São Paulo. Distante 55 km do centro, o bolsão verde em Engenheiro Marsilac, no extremo sul, contrasta com a ideia da cidade dos arranha-céus, viadutos, poluição e congestionamentos. Hoje será anunciado o projeto Parelheiros: a ecorregião de São Paulo - parceria entre São Paulo Turismo (SPTuris), Secretaria de Coordenação das Subprefeituras e Secretaria do Verde e do Meio Ambiente, com apoio do Sebrae e do Senac, para estimular o ecoturismo. "Fizemos estudos nos últimos quatro anos para promover atividades ligadas ao turismo e ao desenvolvimento sustentável da região, que é bastante carente, sem afetar a mata atlântica e as tribos indígenas que ali vivem", conta Caio Luiz de Carvalho, presidente da SPTuris. A região integra a Área de Preservação Ambiental (APA) Capivari-Monos. "Além do turismo de negócios e de eventos, queremos mostrar que uma metrópole como São Paulo também abriga uma área preservada de mata atlântica", diz Carvalho. O intuito é oferecer ecoturismo com visitas monitoradas. Além das trilhas que já são oferecidas, a ideia é implantar novas atividades como rapel e canoagem no Rio Capivari, o último rio limpo da cidade. A região oferece cerca de 30 cachoeiras, mas, por enquanto, apenas cinco são abertas ao público. Quatro delas ficam em propriedades privadas: Sagui, Oásis, Jamil e Virgens. A trilha da Cachoeira da Bica e a do Mirante, que permite avistar as praias do litoral sul, ficam no Núcleo Curucutu, que pertence ao Parque Estadual da Serra do Mar. Há ainda duas trilhas que circundam as aldeias indígenas Kurucutu e Tenondé Porã. A SPTuris pretende ampliar o número de trilhas para visitação. Para fazer uma visita guiada, é preciso entrar em contato com a Associação de Monitores Ambientais da APA ou com duas agências de turismo locais. Para mais informações, o interessado deve ligar para o Posto de Atendimento ao Turista (PAT): (0xx11) 5925-2736.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.