Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Trinta empresas de ônibus de SP vão pagar salários para duas outras

Trinta empresas de ônibus de SãoPaulo vão dar cerca de R$ 1 milhão para pagar os saláriosatrasados de funcionários da Expresso Paulistano e ConsórcioTrolebus Aricanduva de garantir o fim da greve que começou naterça-feira. O acordo foi firmado neste domingo na Secretaria Municipaldos Transportes. Além de sofrer com as paralisações, ospassageiros enfrentaram a tarifa dos ônibus mais cara a partirde hoje: R$ 1,70.As empresas devedoras terão até o dia 31 para repassar o valoremprestado. "O dinheiro vai sair do bolso dos própriosempresários", disse o secretário municipal dos Transportes,Jilmar Tatto.A reunião durou mais de cinco horas até a definição do acordo. Ademora na negociação ocorreu porque a Prefeitura decidiu nãofazer nenhuma intervenção e determinar que as empresas pagassemos funcionários. Os empresários devedores e os representantesdos sindicatos queriam que a Prefeitura desse suporte. "Nãovamos dar nem um centavo, pois não aceitamos empresáriosincompetentes", afirmou Tatto.Ele garantiu que tem como prioridade a qualidade do transportecoletivo de São Paulo. "O poder público não vai salvar o mauempresário que não paga seus funcionários e prejudica apopulação com as greves. Esses nós queremos fora do sistema."Segundo o presidente do Transurb (sindicato patronal),Sérgio Pavani, o prejuízo vai ser dividido entre as viações,embora todas estejam trabalhando com dificuldades. "Ninguémestá querendo ser bonzinho nem santo. Há momentos em que a gentetem de abrir a mão sem perder os dedos. Essas empresas são abola da vez. Hoje é uma que precisa, amanhã, é outra", dissePavani.O presidente do sindicato dos motoristas e cobradores, EdvaldoSantiago Silva, ia comunicar o acordo para pagamento dosatrasados aos trabalhadores em assembléia marcada para a noitede hoje. A previsão é que eles voltem ao trabalho hoje. "Estoucansado de reuniões para resolver a falta de pagamento dosfuncionários", disse Silva.Além do secretário dos Transportes e dos presidentes dossindicatos patronal e dos trabalhadores, participaram da reunião de domingo representantes de oito consórcios de empresas e opresidente da São Paulo Transportes (SPTrans), Gerson LuísBittencourt.

Agencia Estado,

12 de janeiro de 2003 | 21h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.