Trio que preparava atentados e mantinha central telefônica do PCC é preso

Três pessoas foram presas nesta sexta-feira, 11, em São José dos Campos, Vale do Paraíba, em uma casa no bairro Santana, onde havia sete bombas de fabricação caseira e uma central telefônica clandestina. Os presos, entre eles uma mulher, mantinham a central fazendo ligações telefônicas para detentos da região com presos de penitenciárias de todo Estado de São Paulo. Eles se preparavam para uma onda de atentados no fim de semana e usariam os coquetéis-molotov encontrados na casa. "Em duas horas que ficamos na casa para fazer o flagrante mais de dez presos ligaram pedindo transferência para outros presídios do Estado", contou o delegado responsável pelo flagrante, Hugo Pereira de Castro.A polícia chegou ao local por meio de escutas telefônicas. Na casa ainda havia documentos falsificados e roubados, talões de cheques, munições, além das quatro linhas telefônicas e anotações de celulares de presos ligados ao crime organizado.Também na manhã desta sexta-feira, em Guaratinguetá, outras duas centrais telefônicas acabaram descobertas pela polícia civil nos bairros Aeroporto e Beira Rio. Agenda com número de telefones de detentos estava no local e três mulheres, que negaram o crime, mas moram nas casas, foram ouvidas e liberadas em seguida. A polícia civil já sabe que as linhas eram usadas pelas facções criminosas para se comunicar com outros presídios do Estado.ReforçoAs polícias militar e civil realizaram bloqueios em vários bairros de São José dos Campos, Taubaté, Jacareí e outros municípios do Vale do Paraíba. Em uma reunião, trinta comandantes de batalhões da PM e diretores dos nove presídios da região decidiram ações permanentes para combater o crime organizado e ações imediatas para o fim de semana. "Reduzimos as folgas, tiramos os policiais do administrativo e colocamos todo mundo nas ruas. Os procedimentos foram padronizados e haverá troca de informações por meio dos órgãos de inteligência", comentou o comandante da PM no Vale do Paraíba, coronel Sérgio Teixeira Alves.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.