Tripulantes de navio liberiano tratam hepatite A

Os cinco tripulantes do navio liberiano Annapurna, que permanece isolado na Barra de Santos, começaram a ser tratados da hepatite A, contraída a bordo. Segundo o médico que acompanha os pacientes na Sociedade Portuguesa de Beneficência, Gilberto Martins Maria, eles continuam em um estágio contagioso. Apenas o comandante da embarcação, Wuriy Skorbach, de 46 anos, queixa-se de dores. Ontem, o oficial foi submetido a uma endoscopia, cujo resultado deve sair hoje. ?Como reclamava de dores, poderia haver problemas gástricos. Os outros pacientes estão bem e ficaram internados a pedido da Vigilância Sanitária?, explicou o médico. Segundo o site A Tribuna Digital, entre os cinco tripulantes, a primeira a ser internada foi a cozinheira Ludmila Tocareva, 51 anos. Ela foi levada ao hospital na última terça-feira, sentindo dores e indisposição. Na ocasião, foram feitos testes com os 21 integrantes da tripulação. Além de Ludmila, outros quatro apresentaram contaminação: o comandante e os marinheiros Kudafhkin Valery, 34 anos; Artymenko Andrei, 30 anos; Pavlyuckov Vitaly, 37 anos. A assessoria de imprensa da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou que o Annapurna pode ser novamente vistoriado nos próximos dias. Segundo os técnicos, não há risco de uma epidemia da doença em Santos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.