Tropa de elite ficará à paisana nos ônibus da capital

Para garantir a segurança dos usuários e funcionários do transporte coletivo da capital, a Polícia Militar colocará um tropa de elite à paisana circulando nos ônibus da cidade, afirmou o Comandante Geral da polícia Elizeu Ecler, após reunião com o prefeito Gilberto Kassab, o presidente da São Paulo Transportes (SPTrans) Ulrich Hoffman, o secretário municipal dos Transportes Frederico Bussinger e o presidente da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), Roberto Scaringela."A Prefeitura e a Polícia Militar vão concentrar os esforços de maneira ostensiva nos 20 principais corredores da cidade, dentro dos ônibus, fora dos ônibus, nos terminais e nas garagens" , disse o prefeito Gilberto Kassab. Ele disse que "o crime quer paralisar a cidade de São Paulo, paralisando o transporte coletivo, mas a Prefeitura não permitirá isso, revidaremos com todos os esforços e o crime não vencerá"."É importante saber que aquele marginal que entrar em um ônibus e mandar os passageiros descerem poderá estar tratando com um policial à paisana", disse Ecler, ressaltando que os policiais não tomarão atitudes que possam colocar em risco a vida de passageiros. A tropa de elite circulará em ônibus de 20 corredores mapeados como os mais atingidos pelos ataques, onde haverá policiamento ostensivo. De acordo com o Ecler, em dois dias foram contabilizados 106 ataques a 121 em todo o Estado, sendo que destes, 68 eram ônibus, dos quais 45 circulavam na capital. Até o momento, 8 pessoas foram presas. Com o medo causado pelos ataques, muitas empresas de ônibus retiraram suas frotas das ruas.Segundo a SPTrans, das 16 empresas que operam em São Paulo, apenas quatro estão funcionando, sendo três delas na zona oeste e uma na zona leste da cidade. As viações possuem uma frota de 15 mil ônibus e atendem cerca de 5,5 milhões de passageiros diariamente. Não há, por enquanto, previsão de quando a frota será colocada novamente nas ruas. Os 23 terminais de ônibus espalhados pela capital estão abertos, pois os microônibus, vans e cooperativas trabalham normalmente.Nesta tarde, em nova reunião, desta vez com a participação dos empresários responsáveis pelos ônibus, a PM e a SPTrans vão garantir a segurança para a circulação dos veículos na cidade. "Eles serão obrigados a circular", disse o prefeito Kassab, ressaltando que haverá condições de segurança suficiente nos corredores, terminas e garagens de ônibus. "Até porque é um dever e uma obrigação deles. Como é o dever do poder público, e estamos cumprindo, de dar condições aos empresários para que circulem", disse Kassab. Passageiros perdidosA paralisação de diversos ônibus deixou muita gente confusa e sem direção na região da Avenida Paulista, em São Paulo. Na Rua Augusta, nenhum coletivo circulava pela manhã. Por volta das 10 horas, havia aglomeração de pessoas em diversos pontos de parada, sem que por lá passasse algum ônibus.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.