LUCIA TÁVORA/A TARDE
LUCIA TÁVORA/A TARDE

Tropas do Exército chegam às ruas de Salvador e Feira de Santana

Com as tropas, comerciantes, que hesitavam em abrir as portas em algumas áreas, passaram a trabalhar normalmente

Tiago Decimo, Agência Estado

03 Fevereiro 2012 | 14h32

Tropas do Exército começaram a chegar às ruas do centro de Salvador e de Feira de Santana no meio da manhã desta sexta-feira, 3, para fortalecer a segurança nos locais, comprometida desde ontem por causa da paralisação parcial da Polícia Militar na Bahia.

Com o reforço dos militares, os comerciantes, que hesitavam em abrir as portas em algumas áreas da capital e em todo o centro de Feira de Santana, passaram a trabalhar normalmente. "Agora está mais tranquilo, policiado, antes a gente estava tenso", relata a gerente de loja Claudia Rocha Santos.

O estabelecimento que ela comanda, filial de uma rede de eletrodomésticos no bairro da Liberdade, um dos mais importantes no comércio soteropolitano, havia aberto apenas uma das quatro portas de ferro até as 10h30, quando passou o primeiro caminhão, com cerca de 30 militares a bordo. Depois, com o Exército já circulando pela área, a loja foi totalmente aberta.

A tensão foi causada pelas ameaças de arrastão e pelos arrombamentos e saques, durante a madrugada, de pelo menos dez grandes lojas da região, entre supermercados, lojas de eletroeletrônicos e joalheria. Na última, oito homens usaram um carro roubado para destruir a porta metálica, invadir o estabelecimento e levar dezenas de produtos. Os assaltantes fugiram a pé e toda a ação foi filmada pelo sistema de segurança da loja.

O movimento de vendedores ambulantes e de compradores na região central tanto de Salvador quanto de Feira de Santana, porém, é bem menor que o normal. Vendedores da capital estimam redução de entre 70% e 80% no número de clientes. Cerca de metade dos ambulantes não montaram barracas hoje.

Dois mil militares do Exército e 650 integrantes da Força Nacional de Segurança vão fortalecer o policiamento ostensivo no Estado enquanto houver parte da Polícia Militar paralisada. Segundo a Secretaria de Segurança Pública do Estado, pelo menos dois terços dos 32 mil PMs da ativa na Bahia estão trabalhando.

O movimento grevista foi iniciado por uma das nove associações que representam a categoria no Estado, a Associação de Policiais e Bombeiros e de seus Familiares do Estado da Bahia (Aspra). Integrantes do grupo ocupam, desde terça-feira, a entrada da Assembleia Legislativa e promovem manifestações em Salvador.

A Aspra, que tem cerca de 2 mil filiados, cobra do governo a incorporação de gratificações aos salários, além de regulamentação para o pagamento de adicionais, como de periculosidade e acidente. O comando-geral da PM diz não reconhecer a Aspra como entidade de classe.

As outras associações de classe não aderiram à paralisação. As lideranças delas tiveram uma reunião com a cúpula da Segurança Pública do Estado, no fim da manhã, para debater a situação e cobrar do governo melhorias nas condições de trabalho.

Mais conteúdo sobre:
Salvador, FSN, BA, greve, PMs,

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.