Tropas fizeram busca a armas no local em 2006

Os 12 mil moradores estão divididos sobre a presença do Exército no Morro da Providência. A maioria lembra da última ocupação militar da favela, em março de 2006, para cumprir mandados de busca e apreensão dos dez fuzis e de uma pistola roubados de um quartel. Houve intensa troca de tiros entre policiais e traficantes e um estudante de 16 anos morreu vítima de uma bala perdida. Nas fachadas das casas e no teto da única quadra esportiva da região ainda podem ser vistos as buracos dos disparos.A Associação de Moradores da Providência é contra o projeto. A entidade entrou com três processos na Prefeitura, pedindo o embargo das obras. Ela acusa Crivella de usar o projeto em benefício de sua pré-candidatura à Prefeitura do Rio. O senador disse que os tráfico pode estar por trás das críticas e a associação anunciou que vai processar o parlamentar pela declaração.HISTÓRICOEsse morro é considerado a primeira favela do Rio e deu origem ao termo pelo qual ficaram conhecidas as aglomerações pobres. Os primeiros moradores chegaram ali em 1897. Eram ex-combatentes da Guerra de Canudos e mudaram-se para o Rio com a promessa de ganhar casas. A partir da década de 20, passou a ser conhecido como Providência, nome de um rio na região dos confrontos com os seguidores de Antônio Conselheiro.As guerras não ficaram no passado: a criminalidade é grande no local, um dos principais entrepostos do Comando Vermelho - que abastece de drogas a região da Central do Brasil, do terminal rodoviário e do Sambódromo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.