TRT julga não abusiva greve de motoristas de cooperativa em SP

O Tribunal Regional do Trabalho considerou não abusiva a greve dos 250 motoristas da cooperativa Cooturb/Cooperpoli, cujas linhas atende parte da zona leste da cidade. Os motoristas paralisaram suas atividades na última sexta-feira por falta de pagamento dos salários de novembro de 2002 e março deste ano. A Seção Especializada em Dissídios Coletivos do TRT da 2ª Região concedeu ainda aos trabalhadores estabilidade de 90 dias e pagamento dos dias parados. A arrecadação das cooperativas será destinada ao pagamento dos salários atrasados. O TRT ainda determinou o pagamento dos salários, de novembro do ano passado até agora, inclusive do piso salarial da categoria e o registro em carteira de trabalho. Os funcionários são terceirizados e a cooperativa não está incluída nos lotes da São Paulo Transportes (SPTrans). Os motoristas operam 78 ônibus, distribuídos em 9 linhas, e transportam 10 mil passageiros dos bairros de São Mateus, Jardim Santo André, Guaianases, Vila Nova União e Jardim Rodolfo Pirani.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.