TRT quer 100% dos trens do Metrô em horários de pico

Apesar dos metroviários terem decidido não entrar em greve nesta terça-feira, o Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo determinou que, desde a zero hora desta terça-feira até o julgamento da ação principal, a categoria deverá manter 100% de seus serviços nos horários de pico, ou seja, das 6 às 9 horas e das 16 às 19 horas, e 70% nos demais horários, sob pena de aplicação de multa diária no valor de R$ 100 mil reais. A determinação partiu da vice-presidente judicial regimental do TRT/SP, juíza Maria Aparecida Pellegrina. Ela acolheu medida cautelar inominada impetrada pela Companhia do Metropolitano de São Paulo diante da ameaça de greve da categoria nesta terça-feira. Os metroviários ameaçavam fazer greve por conta de divergências em relação ao Plano de Participação nos Resultados de 2006-2007. Julgamento Na próxima quinta-feira, dia 1º de março, a seção especializada em dissídios coletivos do TRT-SP vai apreciar dissídio coletivo de greve dos metroviários. Na oportunidade, será julgada a paralisação de um dia, realizada pela categoria em agosto de 2006, quando os funcionários protestaram contra a terceirização das obras da Linha 4-Amarela. A concessão foi dada ao Consórcio Via Amarela, formado pelas empreiteiras Odebrecht, Andrade Gutierrez, OAS, Camargo Corrêa e Queiroz Galvão.

Agencia Estado,

27 Fevereiro 2007 | 12h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.