TSE multa Erenice em R$ 20 mil

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) multou a ex-ministra da Casa Civil Erenice Guerra em R$ 20 mil. Em 14 de setembro, ela usou o blog do Planalto para se defender no caso do suposto tráfico de influências no governo. Por 6 votos a 1, o TSE concluiu que Erenice desrespeitou a lei ao usar veículo oficial para divulgar uma nota na qual falou sobre o processo eleitoral tentando relacionar as imputações a um candidato, que, segundo ela, seria "aético e já derrotado".

Mariângela Gallucci / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

22 Outubro 2010 | 00h00

De acordo com advogados do presidenciável José Serra (PSDB), autores da representação, Erenice teria feito referência ao tucano. Pesquisas indicavam que Dilma Rousseff (PT) venceria no primeiro turno. Relator do caso no TSE, o ministro Henrique Neves concluiu que a ex-ministra usou veículo da administração para publicar ofensas a Serra. Apenas o ministro Hamilton Carvalhido votou contra multar Erenice.

Depoimento. O criminalista Mário de Oliveira Filho requereu à Polícia Federal que o depoimento de Erenice Guerra no inquérito que investiga seu suposto envolvimento em esquema de tráfico de influência só ocorra depois "da integral produção de provas sobre o caso, inclusive testemunhal e pericial". O depoimento de Erenice está inicialmente previsto para a próxima segunda-feira.

Em ofício entregue ao delegado Roberval Ré Vicalvi, que dirige o inquérito, o advogado de Erenice diz que ela quer "esclarecer amplamente as questões envolvidas no feito, não se referindo apenas às matérias jornalísticas, mas, sim, às provas dos autos".

O marido de Erenice, empresário José Roberto Camargo Campos, depôs quarta-feira e negou conduta ilícita. Ele faz consultoria para a Unicel, que fez solicitações à Agência Nacional de Telecomunicações. Campos negou que ele e Erenice tenham feito lobby junto a conselheiros da agência. "Formal e tecnicamente não há acusados no inquérito", assevera Oliveira Filho. / COLABOROU FAUSTO MACEDO

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.