TST reduz índice de reajuste de motoristas de São Paulo

O presidente interino do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Ronaldo Lopes Leal, reduziu ontem à noite, de 8% para 6%, o índice de reajuste salarial dos motoristas e demais trabalhadores do sistema de transporte rodoviário da cidade de São Paulo. Lopes Leal atendeu a um pedido de reconsideração feito pelo Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo de São Paulo (Transurb). O ministro entendeu que o índice de 8% - estabelecido pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de São Paulo e mantido pelo presidente do TST, Francisco Fausto - estava acima da média utilizada pelo TST e, por esse motivo, resolveu reduzí-lo para 6%. Pela decisão de Lopes Leal, o aumento terá de ser calculado sobre o salário-hora praticado em maio de 2001, deduzidas vantagens já concedidas entre 1º de maio de 2001 e 30 de abril de 2002.Os motoristas, que realizaram uma paralisação de três horas na quinta-feira, ameaçam iniciar um greve por tempo indeterminado na segunda-feira. Nesta semana, falharam duas reuniões informais realizadas no TST, em Brasília, na tentativa de conciliar as posições de trabalhadores e empresários do setor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.