TST tenta evitar greve de ônibus em SP

Representantes de motoristas e empresas de ônibus de São Paulo devem encontrar-se na próxima quinta-feira, no Tribunal Superior do Trabalho (TST), em Brasília, para discutir um acordo capaz de evitar uma greve por tempo indeterminado na capital.As partes reuniram-se nesta terça-feira em audiência informal com o corregedor-geral da Justiça do Trabalho Ronaldo Lopes Leal, que lamentou a ausência de representantes da Prefeitura. "O Município tinha de estar aqui, quem sabe até a prefeita Marta Suplicy", afirmou Leal."A questão envolve uma responsabilidade maior do que um dissídio coletivo qualquer. Seus reflexos serão sentidos diretamente pelos passageiros do transporte coletivo de São Paulo."Na reunião, Leal propôs reajuste de 6% sobre os salários de maio de 2001, aumento no valor do tíquete-refeição e manutenção de convênio médico. Os motoristas têm assembléia na segunda-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.