Tucano diz que reportagem da Veja não pode ser ignorada

O senador Arthur Virgilio (PSDB-AM) previu nesta segunda-feira "um cenário nervoso" após o segundo turno destas eleições presidenciais, seja quem for o vencedor do pleito. Virgílio citou a edição deste final de semana da revista Veja, que traz reportagem sobre o filho do presidente, o empresário Fabio Luís Lula da Silva e as relações da sua produtora Gamecorp com a Telemar, maior empresa de telefonia do País. "Evito comentar assuntos familiares, mas este episódio não é um assunto familiar, é um assunto público e que não pode ser ignorado", emendou."O presidente Lula (candidato à reeleição pelo PT, Luiz Inácio Lula da Silva) é freguês de todos os tribunais do País, e as ações de seu governo estão sob o crivo da Procuradoria. É uma complicação meio Nixon (numa alusão ao escândalo Watergate, que derrubou o presidente norte-americano Richard Nixon)", destacou o tucano, ao chegar para o evento em prol da candidatura de Geraldo Alckmin, na capital paulista.Na avaliação do senador, o presidente Lula não consegue se defender, "a não ser tentando ver quem fez o mal maior do que ele". E voltou a dizer que como líder da oposição no Senado não pode ignorar a denúncia da revista Veja.Questionado sobre o propagado pacto de governabilidade proposto por Lula, Virgílio voltou a criticar: "Para ter moral para falar desse assunto, o presidente deveria primeiro coibir a corrupção do governo dele. Ele prestaria um grande serviço à nação".Mais de mil pessoas participam neste momento, em um clube da capital, do ato em favor da candidatura de Geraldo Alckmin. Foram vendidos mil convites a R$ 100 cada. Participam do ato político, empresários, artistas e simpatizantes. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso também participa do ato.

Agencia Estado,

23 de outubro de 2006 | 14h05

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõeseleições 2006

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.