Tucano minimiza avanço de senadora na reta final

O candidato do PSDB à Presidência, José Serra, minimizou ontem o impacto de um eventual crescimento da candidatura de Marina Silva (PV) levar a disputa eleitoral para o segundo turno.

Gustavo Porto / SÃO CARLOS, O Estado de S.Paulo

25 Setembro 2010 | 00h00

"Ninguém está aí para ajudar o outro e eu jamais cometeria qualquer tipo de desrespeito contra eles ( candidatos), pois todos terão a chance de disputar. E cada um está aí para ganhar", disse, durante visita a cidade de São Carlos, no interior paulista.

Na última pesquisa Datafolha, divulgada na quinta-feira, Marina subiu de 11% para 13% nas intenções de voto, com margem de erro de dois pontos.

Serra classificou como "factoide" o manifesto divulgado por uma ala do PMDB paulista - que apoia o PSDB no Estado - a favor de Dilma Rousseff (PT) e afirmou ser contra o pedido do PT ao Supremo Tribunal Federal para que o eleitor não tenha de apresentar dois documentos para votar. "A lei é lei. Acho importante ter a foto."

Ferimento. O tucano feriu levemente a cabeça ao bater no suporte do vídeo da van que o transportou para Araraquara, onde fez carreata e minicomício na região central da cidade. Serra até brincou com o corte: "Estou dando sangue na campanha."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.