Tucano não quer uso político de acidente nas obras do Metrô

O vice-líder do governo na Assembléia Legislativa do Estado, deputado Vaz de Lima (PSDB), disse nesta quarta-feira, 17, que o desabamento das obras da linha amarela do Metrô de São Paulo não deve ser usado pela oposição de forma política. Segundo ele, a oposição tem o direito de propor a instalação de uma CPI para investigar o acidente, mas o deputado ressaltou que o pedido será analisado dentro do regimento e dos princípios legais e constitucionais. O apoio do PSDB à instalação da comissão estaria condicionada, entretanto, "aos termos em que essa CPI seria colocada", adiantou o deputado."Compete à Assembléia a fiscalização do executivo. Em qualquer coisa que se tenha dúvida, pode-se pedir a instalação de uma CPI, mas nós vamos analisar o pedido dentro do regimento e dos princípios legais e constitucionais", afirmou, durante o anúncio da entrega da segunda etapa das obras de recapeamento das Marginais Tietê e Pinheiros. "O que nós não podemos é trabalhar com prejulgamento de quem quer que seja, sem laudos e análises de todos os contratos. Não temos, porém, dificuldade para fazer as investigações", acrescentou. Essa seria a terceira frente de investigações a respeito do desastre, já que o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) e o Ministério Público já estão analisando o caso.De acordo com Vaz de Lima, para que a CPI seja instalada, o pedido deverá ser feito somente após o dia 15 de março, pois uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) obriga a Assembléia a instalar as comissões em ordem cronológica. "Nós temos duas já instaladas e mais 61 aguardando instalação nessa legislatura. Essa CPI sobre o acidente do metrô evidentemente iria para o final da lista", explicou. "Supondo que esse pedido seja apresentado antes do dia 15 de março, o pedido perderá validade na posse da nova legislatura e terá de ser reapresentado."Análise do trabalhoO vereador Adilson Amadeu (PTB) anunciou nesta quarta a criação de uma subcomissão na Câmara Municipal de São Paulo para analisar o trabalho da Subprefeitura de Pinheiros e da Defesa Civil no acidente da futura estação Pinheiros da Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô), na zona oeste da Capital, segundo informações da reportagem da Rádio Eldorado AM.Doze vereadores constituirão o grupo, e eles já teriam solicitado um relatório completo da atuação da Subprefeitura e da Defesa desde a tarde da última sexta-feira, quando ocorreu o desmoronamento na obra.Os vereadores também solicitarão informações a respeito da assistência prestada às família das vítimas e aos moradores afetados. Amadeu disse ainda que a subcomissão pedirá ao Consorcio Via Amarela, responsável pela construção da Linha 4 - Amarela do Metrô, esclarecimentos sobre as explosões realizadas no decorrer da obra no local. Colaboraram Leda Letra e Elvis Pereira

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.