Tucanos e petistas ´ilustres´ assistem a debate da Record

Os convidados pefelistas de Alckmin foram os primeiros a tomar posição na porta de entrada do teatro da Record. Os mais animados eram Rodrigo Maia (RJ), Heráclito Fortes (PI) e João Carlos Aleluia (BA), que ficaram nas primeiras filas.Já na primeira fila do lado petista do auditório, a ex-prefeita Marta Suplicy e o deputado federal Delfim Netto conversavam animadamente. O deputado, que foi ministro da Fazenda nos anos do regime militar, estava bem à vontade. "Fiquei honrado com o convite", disse. Ao lado dele, um petista histórico comentou: "Os petistas são maioria aqui. E os nossos anexos também."Entre os petistas encontravam-se também os ministros Márcio Thomaz Bastos, Dilma Roussef, Patrus Ananias, Tarso Genro e Luiz Dulci. O último a chegar foi Tarso Genro, que apareceu com uma hora de atraso. Ele justificou dizendo que teve outro compromisso no mesmo horário.Entre os convidados do PSDB, a ausência do governador eleito de São Paulo, José Serra, foi uma das mais sentidas, quando foi citado pelo presidente Lula ao falar do Ministério da Saúde.Quando Lula entrou no teatro da Record, para as fotos que seriam feitas antes do debate, a torcida petista o recebeu com palmas. Os tucanos, que não tinham se manifestado na entrada de Alckmin, decidiram reagir. Em coro, gritaram "Ge-ral-do" e bateram palmas, animando o candidato.Uma respeitável fatia do auditório do teatro da Record foi reservadapara pastores da Igreja Universal do Reino de Deus, proprietária da emissora. Eles procuraram conversar com os políticos. Um grupo cercou o governador eleito da Bahia, Jaques Wagner, que comparou sua virada nas eleições deste ano, ao crescimento da Universal: ?Eu estava lá embaixo e ninguém acreditava em mim. Vocês sabem o que é isso. Afinal, começaram numa garagem.? Um dos pastores presentes, corrigiu: ?Nos fundos de uma funerária, governador.?MilitânciaA estrutura petista - um trio elétrico, telão e kombis oferecendo transporte e levando material de campanha - garantiu mais uma vez a soberania do partido na porta do debate entre os candidatos à presidência da República, na TV Record, nesta sexta-feira. Cerca de 200 cabos eleitorais foram levados para uma praça ao lado da emissora, todos com bandeiras do candidato e do partido.A militância tucana também tentou marcar presença, mas a exemplo do debate na TV Bandeirantes, foi encaminhada pelos policiais para outra entrada da emissora para evitar o confronto com os adversários. Sem ter por onde acompanhar o debate, deixaram a emissora antes das 22h30.

Agencia Estado,

24 de outubro de 2006 | 01h00

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõeseleições 2006

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.