Tucanos põem FHC na vitrine em evento

A princípio ele não discursaria, mas partido avaliou que 'escondê-lo' municiaria rivais

Ana Paula Scinocca, Christiane Samarco, Julia Duailibi, O Estado de S.Paulo

10 de abril de 2010 | 00h00

BRASÍLIA

O presidente de honra do PSDB, Fernando Henrique Cardoso, foi escolhido para abrir os discursos na festa do partido para o lançamento da pré-candidatura de José Serra à Presidência, hoje em Brasília. Para fazer a corte ao ex-governador Aécio Neves (MG), vice dos sonhos na chapa de José Serra, será dele o último discurso antes da fala do pré-candidato.

Como manda a praxe política, a ordem dos oradores é sempre crescente. Mas Fernando Henrique funcionará como uma espécie de cicerone do encontro e dará a palavra aos presidentes das três legendas que integram a coligação da campanha oposicionista: Roberto Freire, pelo PPS, Rodrigo Maia, pelo DEM, e Sérgio Guerra, pelo PSDB. O ex-presidente, que inicialmente não falaria na cerimônia, vai discursar após avaliação interna de que "escondê-lo" daria munição ao argumento dos adversários.

A chegada de Serra deve ter um toque triunfal, ao contrário do que o próprio pré-candidato queria no começo. Cauteloso, ele havia planejado uma festa mais discreta. Não queria que o evento tivesse cara de show e também pediu que não se usasse música. Mas foi convencido pelos caciques do PSDB e dos partidos aliados da necessidade de um evento de maior visibilidade, até para fazer um contraponto ao lançamento da pré-candidatura da principal adversária, a ex-ministra da Casa Civil Dilma Rousseff (PT), em fevereiro.

Para a formatação do evento, foi contratada a empresa Mix Brand Experience, que faz cerimônias para bancos e empresas. A modelo e apresentadora de TV Ana Hickmann foi escalada como mestre de cerimônias da festa, que vai ser realizada no Centro de Convenções Brasil 21.

Enxuto. A orientação dada pelos organizadores foi de que os discursos não ultrapassassem dez minutos ? o único a se estender será o do pré-candidato, que deve durar quase uma hora. Marcada para começar às 9 horas, a cerimônia, que oficialmente vem sendo chamada de Encontro dos Partidos ? sugestão aceita pelos organizadores para não haver problemas com a Justiça Eleitoral (oficialmente a campanha começa só em julho) ?, só contará com a presença de Serra depois do meio-dia.

Ontem pela manhã, Serra pessoalmente pediu ajustes na organização da festa. Exigiu acessibilidade a deficientes físicos à plateia e a contratação de profissional que faça linguagem de sinais para que deficientes auditivos tenham acesso ao seu discurso.

A expectativa inicial dos tucanos era reunir 2 mil pessoas, mas ontem já se falava em um público perto de 3 mil participantes. Orçada em R$ 500 mil, a cerimônia vai ser transmitida em quatro telões e 20 TVs de plasma espalhadas por salões anexos ao principal do centro de eventos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.