Tucanos vão usar mensalão e Lina contra Dilma

Criticar diretamente propostas mais radicais do PT e recordar temas incômodos ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, como o mensalão, fazem parte da nova estratégia traçada pela direção do PSDB e pelo candidato José Serra. O objetivo é reforçar um discurso anti-Dilma e anti-PT.

Bastidores: Malu Delgado, O Estado de S.Paulo

29 de julho de 2010 | 00h00

Na visão dos tucanos, Lula passou o final do primeiro mandato e a maior parte do segundo mandato evitando discutir determinados assuntos que abateram o PT, sobretudo a crise do mensalão, durante a qual viveu o pior momento de seus quase oito anos no poder.Além do mensalão, outro alvo dos tucanos é o caso da ex-secretária Lina Vieira, da Receita Federal que acusou a então ministra Dilma Rousseff de tê-la pressionado a afrouxar investigações sobre empresas da família Sarney. A hoje candidata do PT nega ter feito pressão, mas o caso nunca foi plenamente esclarecido.

Para o PSDB, a crítica a Lula é improdutiva, devido à alta popularidade do presidente, restando, desta forma, o ataque ao PT e a Dilma. A estratégia foi discutida com dirigentes da sigla e do DEM nas últimas semanas.

A avaliação do comando político da campanha é que Lula não entrará numa cruzada em defesa de Dilma quando os temas trazidos à arena eleitoral forem espinhosos para ele. Entrariam nesse rol de assuntos delicados para o governo Lula, por exemplo, as relações do PT com as Farc e o MST e a proximidade do governo com o regime do venezuelano Hugo Chávez.

Essa nova estratégia explicaria o fato de Serra ter citado as relações do PT com o movimento dos sem-terra e também ter endossado as críticas de seu companheiro de chapa, Índio da Costa (DEM), ao partido de Dilma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.