''Tudo é possível'', diz Carvalho sobre eventual volta de Lula

Chefe de gabinete garante, no entanto, que presidente não tem 'ambição automática' de retorno ao Planalto

, O Estado de S.Paulo

05 de dezembro de 2010 | 00h00

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva não tem "ambição automática" de concorrer novamente ao Palácio do Planalto, mas pode disputar a eleição de 2014, dependendo do cenário político.

"Ele não planeja nem voltar nem não voltar. Vai depender muito do que vai acontecer. Uma coisa é um governo Dilma bem-sucedido e outra, com dificuldades. Uma coisa é ele articular um papel internacional muito mais amplo ou não. Tudo é possível. Agora, ambição automática de voltar não existe", afirma Gilberto Carvalho, chefe de gabinete de Lula e escolhido por Dilma Rousseff para ministro da Secretaria-Geral da Presidência.

A 27 dias do fim do governo Lula, Carvalho serve a dois senhores e já iniciou "missões" para Dilma. No mês passado, por exemplo, foi emissário de uma carta escrita pela presidente eleita para o papa Bento XVI, em Roma, na qual ela garantia que pretende manter as melhores relações com a Igreja Católica.

"A gente estava com receio de que no Vaticano tivesse sido passada a imagem de um governo antirreligioso, por causa dessa polêmica do aborto na campanha", admite Carvalho.

Embora não vá acompanhar o amigo de 30 anos em seu novo projeto, o chefe de gabinete de Lula garante que vai visitá-lo com frequência.

A ideia de Lula é retomar o trabalho no antigo Instituto Cidadania, no Ipiranga. Levará com ele Luiz Dulci, hoje secretário-geral da Presidência, e Paulo Vannuchi (Direitos Humanos). Tratará de projetos de combate à fome, no Brasil e na África, e promete se empenhar pela reforma política. "Sem isso não há condições de sobreviver uma democracia decente", diz Carvalho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.